Migrantes

Quando olham para esta fotografia o que veem ? Eu vejo a minha neta mais nova, que não herdou os olhos castanhos da avó, nem os verdes da mãe, herdou os azuis do pai. Vejo um bebé lindo, de catálogo, pele clara, cabelo cor de manteiga açoreana, olhos cor de mar das Caraíbas. E se … More Migrantes

Inóspito: Falemos de refugiados

Que linha une Albert Einstein, Amilcar Cabral, Freddie Mercury, Marc Chagall, Willy Brandt e Josef Konrad ? São pessoas que escolheram resistir, decidiram viver. A linha que os une ? São refugiados. Saí de uma sala quase cheia no Chapitô, a maioria estrangeiros, turistas, alguns adolescentes. Ao espectáculo que vi não desejo acrescentar personagens, nem … More Inóspito: Falemos de refugiados

Os ténis brancos  

Há alturas em que despertava sobressaltado a meio da noite com receio de ser descoberto. Apareciam-lhe personagens, vindas de um canto obscuro e desconhecido da sua mente. Escutava suspenso, com os ombros contraídos e as mãos fechadas, quando tinha a certeza que não ouvia nada e o medo se esfumava voltava a adormecer. Geralmente acordava … More Os ténis brancos  

Crónicas de viagem (3) – Postais de Nakifulube)

Almocei na berma da estrada (ugali, feijões guisados picantes, banana frita acompanhados pela inevitável coca-cola). Estou alojada na margem do lago Vitória, o maior lago do continente africano, maior lago tropical no mundo e com uma área equivalente à da Irlanda. Um horizonte infinito. Ontem tomei a decisão certa ao não ter continuado viagem. A … More Crónicas de viagem (3) – Postais de Nakifulube)

Da Síria

” A cidade é tão antiga como a eternidade e mesmo assim nova, nunca para de renascer”. As palavras são do viajante Ibn Djubair, foram escritas no século XII e a cidade eterna é Allepo, nas margens do Kuwaik.  Uma das primeiras referências a Damasco, a cidade onde terá nascido Abrãao, é feita no livro … More Da Síria

“I have dream”

Arranquei  em Outubro com a campanha para pagar as propinas a 3 refugiados Sul-sudaneses, cujas histórias contei aqui (o jovem que quer ser professor, o que ambiciona concluir a licenciatura em jornalismo e o menino órfão de dez anos encontrado, debaixo dos corpos dos pais, por um soldado).  A educação é a única forma de … More “I have dream”

Um americano em Gulu ou reflexões sobre refugiados em volta de uma chávena de café

Quando o dia começa a dar sinais de cansaço caminho pelas ruas de Gulu misturando-me com os locais. Já conheço os atalhos que me levam ao centro da cidade.  Tattatatatatum. Um jovem homem em tronco nu, músculos tensos como a corda de arco, sentado na terra batida martela uma chapa zincada. Os últimos raios do … More Um americano em Gulu ou reflexões sobre refugiados em volta de uma chávena de café

Viver num campo de refugiados: uma experiência na primeira pessoa

O campo de refugiados de Kakuma é uma cidade de cerca de 180 mil pessoas de 20 nacionalidades. É também o sítio mais extraordinário onde vivi em toda a minha vida. A cidade cresce todos dias.  Vista da janela do Dash que me transportou de Nairobi – e que chocalhava como um brinquedo de criança … More Viver num campo de refugiados: uma experiência na primeira pessoa

Crónica queniana 

A luz de Nakuru é como a luz de Lisboa. Densa.  O tuktuk que me transporta vai navegando por entre os carros parados. O trânsito é caótico. Carros que são quase achados arqueológicos, todo-o-terreno de última geração, ciclotáxis, boda-boda.  Nalgumas zonas do Quénia, no inverno, quando a chuva é feita de cordões grosso, o preço … More Crónica queniana 

Cidade de espinhos

  Para os trabalhadores humanitários o campo de refugiados de Dadaab é uma “crise humanitária”, para o governo queniano o “ovo da serpente do terrorismo”, para os media ocidentais uma  “zona no-go”, para os seus habitantes a cidade de espinhos no deserto inóspito é o mais próximo do que podem chamar casa. Venham comigo. Quero … More Cidade de espinhos

Estrangeiros do nosso ontem ou crónica que (quase) ninguém lê

Na Praça Roncalli, em frente à Catedral de Colónia, foi colocado um barco. Confiscado pela marinha maltesa e comprado pelo Cardeal, Rainer Maria Woelki. A bordo dele, no meio momento em que foi apresado no mar Mediterrâneo, estavam entre 80 a 100 pessoas que haviam largado de areias líbias. O Cardeal fez dele altar há … More Estrangeiros do nosso ontem ou crónica que (quase) ninguém lê

Presa, predadores e as « selvas » europeias

Violadas, forçadas a prostituir-se, a roubar, a trabalhar para traficantes de pessoas. O ser-se criança e refugiado tem muitas cores, quase todas feias. Retrato da selva no país do Euro. Retrato da Europa no século XXI. Cinco euros.  O que num café dos Campos Elíseos não seria suficiente para pagar um éclair e um cafe … More Presa, predadores e as « selvas » europeias

Mariposas

O que se conserva de todos os caminhos debaixo da pele? E o que se faz deles quando se regressa à casa? São duas perguntas que me consomem. O jornalista, o repórter é um “fixador de instantes”. Instantes que na voracidade dos dias se esvanecem. Esbarram contra a indiferença ou fazem que alguns desviem o olhar, … More Mariposas

Rabanetes: ou a prosaica aproximação entre alemães e sírios 

Khaldon calça umas galochas enlameadas e esfrega as mãos uma na outra. A chuva gelada de Fevereiro, a uma hora em que até as árvores ainda estão a dormir, não o incomoda. “É tão bonito isto aqui”, diz este homem corpulento, de olhos castanhos, quentes. “Como uma aldeia. Muitas vezes sentamo-nos aqui a beber chá … More Rabanetes: ou a prosaica aproximação entre alemães e sírios 

Raça e preconceito

A 12 de Fevereiro de 2001 foi apresentada, em cinco capitais mundiais,  a sequenciação do genoma humano. O abecedário do ser humano revelado pela ciência salva-nos pelo avesso, dá respostas mas coloca muito mais perguntas, inquieta. Temos pouco mais do dobro dos genes da mosca da fruta:uns meros 30 mil, metade de um grão de … More Raça e preconceito

Praia dos medos

Quem conta uma história teme por vezes não estar à altura. Contar é dar palavras ao outro, dar memória, recordações, por vezes é uma aventura pessoal que faz com que se vá ao fundo de si, por vezes é como fazer rodar uma chave reticente. À minha frente na mesa sentam-se três crianças. Nove anos, … More Praia dos medos

Ao domingo 

Há os que têm o direito a água potável, segurança, educação e a uma vida com dignidade. E há os outros que podem ser reenviados para zonas de guerra, de desespero.  Há os que nasceram no lado certo da geografia e que os sonham com a celebração do serem gente, terem chão e merecerem céu. … More Ao domingo