(Mais) uma boa razão para ler o Público

“ Angola, os mitos e a realidade em discurso directo pelos emigrantes portugueses”, é o título de um excelente trabalho jornalístico do Público. A ler para quem não quer andar às cegas. Trata-se de um ensaio sobre a nova vaga migratória portuguesa, comparável à dos anos 1960, sobre os riscos profissionais que se correm, sobre… More (Mais) uma boa razão para ler o Público

Azul

Olhar o azul sem dimensão das grandes vagas. Seguir-lhes as impetuosas crinas brancas, sacudidas pelo vento. Olhar a distância na curva do céu e imobilizar o espanto. Devolver-me a mim mesma em sal, concha e espuma. Oh mar “que momentos há em que eu suponho/Seres um milagre criado só para mim”. Se a beleza agreste,… More Azul

O Google, ai o Google

Mais do que memorizar dados, as pessoas memorizam o local onde podem aceder aos mesmos rapidamente, revela artigo da Science, citado pelo Público. Compreendo o entusiasmo com o Google, mas (desculpe sim…) não o partilho integralmente. O Google é sem dúvida um instrumento de pesquisa indispensável, ao alcance de qualquer smartphone, prático e que não… More O Google, ai o Google

Desafiar o caos

Em 55 anos de existência foi governada por dois ditadores. Por lá agora sopra o vento da liberdade. Alarmaram-se certas capitais árabes: seria o primeiro dominó de uma cadeia de “mudanças de regime”? A Tunísia parecia “blindada” contra todos os rlaivos de subversão. Por que caiu Ben Ali  tão inesperadamente? Porque deixou de meter medo. E… More Desafiar o caos

Corujas e cotovias

Manhã cedo, leio no Público um artigo sobre inteligência e horários de sono. Aqui se afirma  que as pessoas que se deitam tarde, as “Corujas”,  têm tendência para ser mais inteligentes do que as outras. Já as “Cotovias” tendem a ser mais organizadas e  mais responsáveis. Até aqui tudo bem. Mas, como nada é simples, como avaliar as… More Corujas e cotovias