Quisera eu

A história não é dessas, de quotidianos desgastes, mas de improváveis e de segredos mais transparentes que a própria luz. Se toda a história se quer fingir verdade, esta verdade aspira ao encantamento da história. Confidencio-vos. Era uma tarde de zinco de Janeiro. O frio empurrava para dentro. Riscos molhados de tristeza descem pelos vidros. … More Quisera eu

Ausência 

O café esfriou. Não o consigo beber. É amargo. Sabe a fracasso. O distraído beijo matinal que me pões nos lábios é como um livro de esqueci o enredo, mas que teima em permanecer nas minhas mãos. Sabe a rotina. Fechas a porta atrás de ti. Dizes até logo e alegras-te por não te deter. … More Ausência 

Saudade

Existir é um vasto exercício de pesquisar da vida um vago indício. Tudo é barro, à espera de escultura e que lhe comuniquem o sentimento do efémero.  E  eu escultora débil me pergunto: se a saudade que tenho tua, não é mais que saudade nossa?  E eu escultora débil me pergunto: se o efémero que … More Saudade

Viagem 

Quero ser vento que não mora, mas vai.Saltimbanco de terra em terra cujo movimento não conhece laço, Conhecer o mundo como um rosto amado. Quero sentir o chão debaixo dos pés descalços, a vastidão marinha, inventar o espanto. Percorrer muitas estradas  sem esquecer o caminho de casa.  Quero da vida ser medida e arquitecta Nunca … More Viagem 

Não sou sem ti

  Posso dormir toda a noite sob um céu infinito  amanhecer na praia com os cabelos deslaçados entre o sono e o prazer.  Posso ter um braço de homem a rodear a minha cintura  acordar com um beijo delicado acolhedor como um velho casaco.  Posso negar que queima  porque o teu sono se desprendeu do … More Não sou sem ti

Na tua margem 

   Porque fazes dos dias veleiros que conhecem os ventos e determinam meridianos.Porque és areia fina como mãos de príncipe onde me quebro em espuma  Porque o teu corpo agasalha longe das vozes da ventania  Porque a noite toma a forma do teu rosto  Porque quero permanecer naquele momento de assombro e perfeito em que … More Na tua margem 

Hello

“Não tenho mais segredos/Escondi-me nos teus dedos/Somos metades iguais” Ao procurar a profundidade em qualquer coisa encontrará sempre a poesia e a matemática. Tenho para mim que são sinónimos na interpretação da vida. Quando poesia e matemática se tocam nasce a música perfeita. Não acreditam? A banda sonora da nossa vida (a minha, a sua … More Hello

Mentiras

Escondi os retratos dentro dos livros.Tu já não vens e as palavras são recantos de memória.  Na almofada desenha-se o contorno da tua ausência. Fecho os olhos e a noite devolve-me teimosamente as linhas do teu rosto. Guardo os teus gestos e os mapas que desenhaste devagar, com a ponta dos dedos, no meu corpo. … More Mentiras

Amor conjuntivo

Pudesse eu reter o teu olhar, amado Como um mar mais intenso e deslumbrado E reflectir-me para sempre no seu espelho. Pudesse eu reter a tua voz, amado No espaço interior de cada poema desassombrado Em páginas lisas, ao abrigo dos navios do tempo. Pudesse eu reter o tempo, amado Embrulhado em papel de seda … More Amor conjuntivo

Nada mudou 

  Nada mudou. Sobre o teu nome deixei cair o tempo, rasguei-o numa árvore. Não te invoco. Encontro-te no recorte do silêncio tão pesado que me dobra. Aguardo um vento de feição que leve o teu perfume que me atravessa. Assim me faço ao sono, noite após noite, lembrando horas, de olhos desatentos sobre os … More Nada mudou 

Desencontro

Nas travessuras da noite jurámos Ter uma casa de fachada antiga Para contar cabelos brancos. De olhos nos olhos desenhámos  A casota do cão  Sultão feliz em seu divã deitado. Águas mansas também se enfurecem  O azul torna-se pardo  Quando não lhe bate o sol. Cedro, mirra, incenso, aragem E o que era amor seguiram … More Desencontro

Nosso amor 

Nosso amor é perfeito Suave como a seda das Índias Som do vento nas velas dos navios, Dedos de areia e lábios de sal. Nosso amor é perfeito E que doçura entregar-me Não ao sonho, és existência Poema, morada e abrigo. Nosso amor é perfeito Não há muito que dizer Pois para isso fomos feitos … More Nosso amor 

Ver o mar 

Vim para ver o mar contigo. O lugar não importa. Só os ventos de longe que agitam os cabelos As ondas moldando a forma de um corpo.  A graça inquieta dos teus olhos doces Qualquer coisa como a luz e vida.  Falarei baixo,  Para não perturbar o sossego na tarde parada Trago na ponta dos … More Ver o mar 

Nos teus olhos

Voltar ali Numa noite sem lua Procurar o sobressalto da luz Que se abriga nos teus olhos Não são azuis como safiras, Mas mar sem horizonte onde me perdi Neles competem espuma, conchas e corais Desassossego que morde com os lábios da paixão De mãos vazias de ti Invento-nos na memória das palavras Que me … More Nos teus olhos

Missangas de sal

Lágrimas? Do avesso das pálpebras soltam-se Em missangas de sal instantes que foram vivos. Lágrimas? Poentes de ternura recolhidos Ventos que voltam mas não te devolvem. Lágrimas? Meus lábios sem ocupação Dedos desatentos sem corpo para percorrer. Lágrimas? Feitiço sem redenção que me habita Como as estrelas ocupam o céu. O gume que me sulca … More Missangas de sal

Não me respondas

Não me respondas se as tuas mãos amantes me buscam longamente num amor sereno, sem tempo se esqueceste que no fundo dos meus olhos habitam os teus . Não me respondas se sou eu quem vês quando acordas feliz se me encontras nas esquinas do mundo, na chávena de café, e me emprestas os lábios. … More Não me respondas

Até 2013

Para você ganhar belíssimo Ano Novo cor do arco-íris, ou da cor da sua paz, Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido (mal vivido talvez ou sem sentido) para você ganhar um ano não apenas pintado de novo, remendado às carreiras, mas novo nas sementinhas do vir-a-ser; novo até no coração das … More Até 2013

O pobre

O pobre Nunca está sozinho. Estão todos sempre A espreitar-lhe pra o quarto. Abrem-lhe buracos No prato da comida. Não sabe pra onde há-de ir. O céu é o seu tecto, e chove-lhe lá pra dentro. A Terra enxota-o. O vento Não o conhece. A noite faz dele um aleijado. O dia Deixa-o nu. Nada … More O pobre

Saudade

“Saudade é não saber. Não saber o que fazer com os dias que ficaram mais compridos, não saber como encontrar tarefas que lhe cessem o pensamento, não saber como frear as lágrimas diante de uma música, não saber como vencer a dor de um silêncio que nada preenche”. (Martha Medeiros)

Momento romântico

Namoro Mandei-lhe uma carta em papel perfumado E com letra bonita eu disse ela tinha Um sorrir luminoso tão quente e gaiato Como o sol de Novembro brincando De artista nas acácias floridas Espalhando diamantes na fímbria do mar E dando calor ao sumo das mangas Sua pele macia – era sumaúma… Sua pele macia, … More Momento romântico

Mais ou menos

O grande contador de histórias e de viagens Robert Dessaix – que também foi radialista, ou por isso mesmo – nota que a poesia, tal como namorar, “não é uma coisa a que hoje em dia dediquemos muito tempo. Dá a impressão que só temos tempo para a sedução, para seguir os letreiros que levam … More Mais ou menos