Recantos do Natal

1. Como falar do Natal? Evitar o tema porque ele está carregado de lugares comuns? Maldizer a sociedade de consumo? Apontar o dedo às ceias onde se contam as horas para que acabe? Não esperem isso de mim. O Natal é um tempo aconchegado. Das minhas consoadas portuguesas e alemãs, com bonecos de neve e … More Recantos do Natal

A razão pela qual este blog tem estado quase abandonado

Sabem porque é que o Pai Natal não existe? Porque é homem. Ou estão a ver um homem a preocupar-se a escolher o presente certo para cada amigo e pessoa da família, ele que nem compra as próprias camisas? Que vai carregar nas costas um saco pesadíssimo, ele que reclama até para colocar o lixo … More A razão pela qual este blog tem estado quase abandonado

O pijama de flanela

Falar dela não é difícil, preciso de três verbos: acolher, sorrir, dar(-se). Falo da minha mãe que vou buscar ao aeroporto, mais frágil, envelhecida, numa cadeira de rodas, mas com a menina que é a espreitar-lhe dos olhos verdes. Ela sempre foi mapa, o meu mapa como no poema,”vou emigrar de ti, levo a tua … More O pijama de flanela