Crónica do Maputo – Do trombil aos finais felizes 

Acordei grata por a vida oferecer tão auspiciosos contrastes. Quem goste de recantos de ninguém e histórias deslumbra-se no Maputo, que é uma espécie de transfusão lírica no sistema circulatório mais céptico. E essas histórias vão mais além do que o quarto com cama de dossel que coube ou os magníficos crepúsculos da plácida esplanada … More Crónica do Maputo – Do trombil aos finais felizes 

Crónica de Maputo

O dia começou como de costume: o quarto a pegar fogo com a luz do sol. Não sei porque insisto em deixar uma frincha das cortinas, espessas, aberta. Ou sei, é por intermédio desse cumprimento matinal do sol, mais quente que uma colorida gele (pano de adornar a cabeça) que vejo a África mais de … More Crónica de Maputo

“Sobrechão”

Contemplo a dança da luz sobre as flores das acácias. Deslumbro-me a olhar para o céu que parece dizer karingana wa karingana, eu vou contar um conto. Quase todas as fábulas ou nganos, contos tradicionais moçambicanos passados oralmente de geração para geração, começam assim. Os moçambicanos são dados a histórias, a nganos. Talvez porque estes … More “Sobrechão”

Recantos do Natal

1. Como falar do Natal? Evitar o tema porque ele está carregado de lugares comuns? Maldizer a sociedade de consumo? Apontar o dedo às ceias onde se contam as horas para que acabe? Não esperem isso de mim. O Natal é um tempo aconchegado. Das minhas consoadas portuguesas e alemãs, com bonecos de neve e … More Recantos do Natal

Mulheres de barro

  Entre as recordações mais felizes do meu tempo de escola contam-se as horas em me permitiram ser ceramista, sujar as mãos de barro, tocar a terra na sua essência e dar-lhe forma, como uma qualquer deusa menor. Deslumbram-me os ceramistas e fascina-me a moçambicana Reinata Sadimba. Pela obra, pela vida. Nasceu no Nimo em … More Mulheres de barro