O anel devolvido 

Ao amanhecer cessou o vento e o Atlântico tingia-se de reluzente azul prata. Pouso nos seixos o olhar. Deslumbro-me com a leve eternidade da espuma. Do inclemente embate da massa de água contra as rochas resulta o rendilhado perfeito da espuma. As pequenas e as grandes felicidades são assim. Únicas, poéticas e fugazes. E pelas quais … More O anel devolvido 

A nossa equipa

Há prazer maior do que o futebol de rua no bairro da nossa infância? Com uma equipa cujo tamanho variava, de cada lado os que estivessem disponíveis. E soubessem pular quintais para recuperar bolas perdidas. Naquela rua, tão inclinada como as ruas de São Francisco, esfolar os joelhos, era nome de guerra, jogava-se até as … More A nossa equipa

Azul

Olhar o azul sem dimensão das grandes vagas. Seguir-lhes as impetuosas crinas brancas, sacudidas pelo vento. Olhar a distância na curva do céu e imobilizar o espanto. Devolver-me a mim mesma em sal, concha e espuma. Oh mar “que momentos há em que eu suponho/Seres um milagre criado só para mim”. Se a beleza agreste, … More Azul

“O Rei da Madeira”

   É um como embondeiro curvado à passagem do vento, uma estátua na paisagem política nacional. Outros passaram, quase sem deixar pegada, ele, foi ficando. Os presidentes, primeiros‑ministros e ministros foram-se sucedendo – Alberto João Jardim cruzou-se com praticamente todos os protagonistas da História portuguesa do pós 25 de Abril – e mantém-se na Quinta da … More “O Rei da Madeira”

Obrigado

O que se faz na urgência de cada dia é por definição efémero. Mas há efémeros com espinha dorsal capazes de resistir ao tempo. Efémeros que demonstram a grandeza  singular de cada Homem. Da tragédia da Madeira já se falou, até à exaustão.  Imagens que geraram comoção, irmanaram o país,  fizeram de nós todos madeirenses. … More Obrigado

Um pouco de respeito

Sábado de manhã. O telefone perturba o aconchego da leitura do jornal. Levanto-me do sofá. Do outro lado dizem-me:“liga a televisão”. Obedeço. Imagens terríveis, daquelas que dispensam todas as palavras. Num arrebatamento da natureza a montanha desce até ao mar. Fernão de Ornelas, Visconde de Anadia, Avenida Arriaga. As ruas da cidade a que aprendi … More Um pouco de respeito