Da morte 

A vida é como navegar. Até se pode saber de cor as constelações e tirar azimutes, conhecer os ventos favoráveis, as correntes profundas, o recorte da costa, porém o mar esse permanece para sempre imperscrutável, imprevisível. Tudo o que nos resta como marinheiros é adaptar-nos e tentar tornar a viagem inesquecível. Ou afogar-nos. Nem sempre … More Da morte 

Os lápis

Os lápis, em si, são banais. Vendem-se em qualquer papelaria ou estão a uma mão de agarrar numa qualquer prateleira de supermercado. Será mesmo assim? Não encerram os lápis de cor e as canetas de feltro a possibilidade de um jardim? Ou de algo bonito? Um momento só nosso, de isolamento, o regresso a um … More Os lápis

O homem que amava cães e outras histórias de aeroporto

Assim como as pessoas mais intransigentes lá acordam um dia abertas a tolerância, as mesmo as pessoas que destilam confiança em si mesmas já passaram momentos de dúvida e hesitação. Por dúvidas maiores e por inquietações “mirins” como dizem os brasileiros. Devo ou não tirar férias para fazer o caminho de Santiago? Devo aceitar o pedido … More O homem que amava cães e outras histórias de aeroporto

Desamparo

Na brevíssima passagem por Lisboa, este fim-de-semana, encontrei-me com um amigo de que gosto muito. Encontrar não será talvez o verbo adequado, retomamos uma velha conversa inacabada, conspiramos o necessário sobre política e falamos de viagens e escritores. Dizia o meu amigo que “estava a mudar de pele”. Às vezes por excesso outras por carência, … More Desamparo

O que lêem as pessoas na casa de banho ?

Alguns snobs por aí desprezam a leitura de casa de banho como se  a elevação da reflexão não fosse compatível com os momentos mais básicos da fisiologia humana. Eu descobri a obra quase toda do Ernest Hemingway na loobrary generosa  do meu apartamento em São Francisco (o senhorio era um professor universitário) ou folheei  magníficos … More O que lêem as pessoas na casa de banho ?

Equívocos

Qual é a coisa mais insólita que pode acontecer entre duas pré-adolescentes? Deixa-lá ver se não me esqueço de nenhum detalhe para contar esta história. Estava a  wwfiana Matilde a mostrar um vídeo da protecção dos animais a uma amiga (loura) e explicar-lhe os maus-tratos a que são submetidos os coelhos angora para o fabrico de … More Equívocos

O irmão alemão

Fechem os olhos e escutem, escutem. Um poeta como o Chico é um  interrogador, fazendo perguntas ao mundo, à realidade, a si próprio. Este vídeo, em que o Chico lê um excerto do seu novo romance “O Irmão Alemão”, foi-me enviado por uma amiga querida e iluminou-me a tarde. Partilho-o  porque acredito que mais  do que ampliar solidões, … More O irmão alemão

Sexo e afins (não menos importantes)

1.Comecei a manhã a ler no Süddeutsche Zeitung os resultados de um estudo. Esse estudo psicológico demonstrava que apesar do treino específico os polícias de fronteira, esses seres temíveis que nos fazem esperar horas em filas no aeroporto, são incapazes (sete em cada dez casos) de identificar um rosto, ou melhor, de verificar a correspondência … More Sexo e afins (não menos importantes)

Diário da Copa – Livraria Cultura

É a hora antes do poente. O céu está cinza. Um vento gelado anuncia mais do que o fim da tarde na Avenida Paulista, é prefácio do Inverno. Há uma efervescência aqui. Gente apressada, vendedores de rua, mendigos, polícia, skates, vozes, carros, turistas. É  bom caminhar pela Paulista. Gostoso. A conversa rola fácil. Todo Brasil está em … More Diário da Copa – Livraria Cultura

Abriu a primeira biblioteca pública da Guiné

A capital guineense tem a partir de hoje a primeira biblioteca pública do país, um esforço de uma organização não-governamental (ONG) portuguesa que quer no próximo ano criar uma rede de bibliotecas itinerantes. Sem cerimónia formal, a biblioteca, junto da Faculdade de Direito e perto de dois dos bairros mais populosos da capital da Guiné-Bissau, … More Abriu a primeira biblioteca pública da Guiné

No book, no sex

O amor pelos livros exprime-se às vezes de maneira inesperada : andava eu a pesquisar sobre as relações polaco-germânicas quando deparei no Google com resultados que nada tinham a ver com objecto da consulta. Um deles prendeu-me a atenção. Tratava-se de uma campanha de incentivo à leitura na Polónia. Neste país vizinho da Alemanha apenas … More No book, no sex

Que livro levaria para uma ilha deserta?

É um evergreen. A pergunta faz-se em todos os idiomas e a resposta pode ser embaraçosa ou previsível. Irritantemente previsível.  Que livro levar para uma ilha deserta? O Ulysses cheio das suas suas pequenas odisseias? A poesia de Sophia onde “Não há nenhum vestígio de impureza,/Aqui onde há somente/Ondas tombando ininterruptamente,/Puro espaço e lúcida unidade,/Aqui … More Que livro levaria para uma ilha deserta?

Os livros

O Pedro Correia convidou-me a despir em público. Desnudar o gosto literário entenda-se. Os livros de que se gosta deviam ser um dos últimos redutos do pudor. Não por receio da crítica alheia, mas porque a leitura é para mim a antítese do público. É íntima, deixa marcas, bocados de perfeição, provoca ódios e comoções, … More Os livros

E-Books?

A idade vai-nos tornando mais sábios e coloca as coisas em perspectiva.Para mim uma pessoa sem memória é como um navegador sem bússola. No balanço entre as coisas que recordo e as procuro esquecer ficam sobretudo aquelas associadas aos livros, aos meus livros. Em papel. Recentemente um amigo perguntava-me quando é que me rendia aos … More E-Books?

A propósito da Feira do Livro de Frankfurt

  Uma vez mais a capital financeira da Alemanha, Frankfurt, vai acolher a superlativa Feira do Livro. Este ano o país convidado é a Argentina de José Luis Borges. Um milhar de autores – não posso dizer escritores porque muitos deles não o  são – passará pelos corredores da Feira. Quem sabe entre eles não esteja … More A propósito da Feira do Livro de Frankfurt

O Baú

Mia Couto disse uma vez que a  poesia é um modo de ler o mundo e escrever nele outro mundo. É um olhar revelador de mistérios, um espaço de fronteira. Acrescento. É um caminho que atravessa outras terras , outras gentes. Ontem,  alguém que se anda a despedir ofereceu-me vários livros de poesia brasileira. Rodrigo … More O Baú

Leya ou não leia

Há algumas semanas, fui surpreendido por esta notícia: “Dezenas de milhares de livros de Jorge de Sena, Eugénio de Andrade, Eduardo Lourenço e Vasco Graça Moura, publicados pela ASA ao longo da última década, foram destruídos recentemente pelo Grupo Leya. (…) Nos 96 títulos atingidos incluem-se obras marcantes como Daqui houve nome Portugal (…) e … More Leya ou não leia