Da morte 

A vida é como navegar. Até se pode saber de cor as constelações e tirar azimutes, conhecer os ventos favoráveis, as correntes profundas, o recorte da costa, porém o mar esse permanece para sempre imperscrutável, imprevisível. Tudo o que nos resta como marinheiros é adaptar-nos e tentar tornar a viagem inesquecível. Ou afogar-nos. Nem sempre … More Da morte 

Os lápis

Os lápis, em si, são banais. Vendem-se em qualquer papelaria ou estão a uma mão de agarrar numa qualquer prateleira de supermercado. Será mesmo assim? Não encerram os lápis de cor e as canetas de feltro a possibilidade de um jardim? Ou de algo bonito? Um momento só nosso, de isolamento, o regresso a um … More Os lápis

O homem que amava cães e outras histórias de aeroporto

Assim como as pessoas mais intransigentes lá acordam um dia abertas a tolerância, as mesmo as pessoas que destilam confiança em si mesmas já passaram momentos de dúvida e hesitação. Por dúvidas maiores e por inquietações “mirins” como dizem os brasileiros. Devo ou não tirar férias para fazer o caminho de Santiago? Devo aceitar o pedido … More O homem que amava cães e outras histórias de aeroporto

Desamparo

Na brevíssima passagem por Lisboa, este fim-de-semana, encontrei-me com um amigo de que gosto muito. Encontrar não será talvez o verbo adequado, retomamos uma velha conversa inacabada, conspiramos o necessário sobre política e falamos de viagens e escritores. Dizia o meu amigo que “estava a mudar de pele”. Às vezes por excesso outras por carência, … More Desamparo

O que lêem as pessoas na casa de banho ?

Alguns snobs por aí desprezam a leitura de casa de banho como se  a elevação da reflexão não fosse compatível com os momentos mais básicos da fisiologia humana. Eu descobri a obra quase toda do Ernest Hemingway na loobrary generosa  do meu apartamento em São Francisco (o senhorio era um professor universitário) ou folheei  magníficos … More O que lêem as pessoas na casa de banho ?