Eis a coutada do macho ibérico no seu esplendor

1. Gosto de desafios. Por isso falemos da hamletiana questão: ter ou não ter tempo. E não é uma questão de ter ou não ter mais rugas ou ver a gravidade surtir o seu efeito, mas o desejo (impossível ?) de construir a vida por um processo de redução. Num jornal português, uma personalidade conhecida… More Eis a coutada do macho ibérico no seu esplendor

Liberdade, liberdade

Por que razão evitar a expressão outrora? Regressando lá, a esse tempo, Caracas não se me afigura como ameaçadora, nem violenta, mas apenas como um presépio em escadinha com luzes intermitentes, tantas luzes intermitentes que se tornavam elas próprias no fio do horizonte. Ao amanhecer descobri que as luzes que fascinaram eram barrios, as favelas… More Liberdade, liberdade

Porque é que certas coisas banais têm a ver com a liberdade ?

Na defesa de valores não pode haver lugar para Pilatos. Antes de sermos apanhados de surpresa por uma total inversão de valores, é bom estar atento aos sinais. Estes são os factos: uma adolescente muçulmana pretendia não ter de frequentar aulas de natação, numa escola de Frankfurt, mesmo usando burkini, porque se sentia ofendida nas… More Porque é que certas coisas banais têm a ver com a liberdade ?

Vaclav Havel, encenador, director de cena e o protagonista da revolução

O meu amigo Vaclav Havel Por Timothy Garton Ash  Um copo de cerveja é levantado de uma mesa de madeira por uma mão surpreendentemente pequena e delicada. Um sorriso passa brevemente pelos lábios, sob o bigode com as pontas viradas para baixo, enquanto uma voz profunda deixa sair alguma observação mordaz antes de tomar mais… More Vaclav Havel, encenador, director de cena e o protagonista da revolução