A carta

Nessa manhã e um tanto contra os meus hábitos de divorciado, acordei cedo, sem me espreguiçar ou agasalhar um mais o corpo ao conforto dos lençóis mornos. Ergui-me de um salto da cama de casal. O coração numa batida louca. Procurei a moldura na mesa de cabeceira. Contemplei-a. O pescoço elegante adornado de pérolas redondas … More A carta

A pulseira

Acordou com a pulseira a magoar-lhe o pulso. É um belo trabalho de prata e âmbar, comprada em Setembro ao entardecer, numa loja de porta fechada em Varsóvia, daquelas para turistas dispostos a gastar mais que o habitual e com tempo para escutar histórias. O dono da loja meteu conversa. Disse que os marinheiros antigos … More A pulseira