Pipocas

            No português melodioso do Brasil há palavras que nós portugueses não usamos e onde cabem mundos.  Hoje descobri uma nova. Piruá. É o nome dado aos grãos de milho que não rebentam, não se transformando em pipocas.  O autor brasileiro Ruben Alves escreveu que “tem muita gente piruá neste planeta”. Pessoas que não … More Pipocas

Dói-me o tempo

        Esta manhã quando liguei a radio estava a dar a irónica e provocadora prece de Janis Joplin “Oh Lord…” Sai do Hotel e detive-me a conversar uns minutos com uma idosa que pede em frente à Igreja da Recoleta. Mariluz teve 14 filhos, vários morreram, outros estão no Brasil ou espalhados pela Bolívia. … More Dói-me o tempo

Cochabamba a felina 

          Cochabamba é uma cidade que nos agarra pelo pescoço como um felino e nos coloca no colo para um diálogo de delicadezas. Eu explico. Não é fácil aqui chegar, exige esforços  quase acrobáticos, desta vez “apenas” , nem da distância. “As paisagens externas iluminam a nossa paisagem interior para o bem e para o mal”. Tenho … More Cochabamba a felina 

Sob céus andinos

1. Devo à espanhola Icíar Bollaín (realizadora de “Tambíen la lluvia”, que venceu o prémio do público na Berlinale em 2011) ter visitado Cochabamba mesmo antes de apanhar o meu voo de Frankfurt. No ano 2000 o Banco Mundial forçou o presidente boliviano, Hugo Banzer, a quem alguns chamam chamam ex-ditador, como se um ditador … More Sob céus andinos

Cruzamentos

1.Escrevo sentada no aeroporto de Buenos Aires, com a cabeça cheia de tango, enquanto o espero pelo voo atrasado que me levará a Cochabamba. Para distrair o espírito durante a viagem li a biografia de Werner Guttentag, judeu alemão de Breslau, que escapou à treva nacional-socialista , fugindo para a Bolívia em 1939, tinha então … More Cruzamentos