Miguel

Miguel Otávio Santana da Silva tinha 5 anos e caiu do 9 andar de um prédio de luxo no Centro do Recife, no dia seguinte ao dia da criança. Assim dito pode parecer um azar, um acidente. Mirtes Renata é “diarista” ( empregada doméstica)e mãe do Miguel, no momento da queda ela estava a passear … More Miguel

Migrantes

Quando olham para esta fotografia o que veem ? Eu vejo a minha neta mais nova, que não herdou os olhos castanhos da avó, nem os verdes da mãe, herdou os azuis do pai. Vejo um bebé lindo, de catálogo, pele clara, cabelo cor de manteiga açoreana, olhos cor de mar das Caraíbas. E se … More Migrantes

O homem que amava cães e outras histórias de aeroporto

Assim como as pessoas mais intransigentes lá acordam um dia abertas a tolerância, as mesmo as pessoas que destilam confiança em si mesmas já passaram momentos de dúvida e hesitação. Por dúvidas maiores e por inquietações “mirins” como dizem os brasileiros. Devo ou não tirar férias para fazer o caminho de Santiago? Devo aceitar o pedido … More O homem que amava cães e outras histórias de aeroporto

Escravaturas

Estes são os factos:  a baiana Lília de Souza esperou sete horas na unidade da Polícia Federal do Salvador Shopping, para poder tirar a fotografia necessária à renovação do seu passaporte que expirava em Agosto. Quando finalmente chegou a sua vez, em vez de um profundo suspiro de alívio, um enorme constrangimento. Lília teve de … More Escravaturas

Diário da Copa – Xikunahity (Futebol de cabeça)

“Bem-aventurados os que não entendem nem aspiram a entender de futebol, pois deles é o reino da tranqüilidade”, escreveu o Drummond de Andrade numa genial crónica sobre futebol, publicada em 1974 no Jornal do Brasil, que nada perdeu em actualidade quarenta anos depois. Às 17 horas de Brasília o país pára, de Boa Vista a … More Diário da Copa – Xikunahity (Futebol de cabeça)

Diário da Copa – Rebelião da alegria ou como o Brasil já venceu a Copa

O Brasil já ganhou a Copa. Passo a explicar. Eu estava entre aqueles milhões de brasileiros que se emocionaram quando o Brasil derrubou o Chile nos penáltis. É  verdade que o coração é o nosso músculo mais forte, mas as decisões por penálti deviam ser proibidas pela Convenção de Genebra. A força das duas “paradas” de Júlio César … More Diário da Copa – Rebelião da alegria ou como o Brasil já venceu a Copa

Diário da Copa – O dia em que Marcelo foi herói

Ele chama-se Marcelo. Não quer dizer onde vive. É fácil adivinhar que a sua realidade não é a porta da frente, que nasceu do lado errado da cidade. De um dos demasiados lados errados de São Paulo. É um mulatinho de calções curtos, pernas finas, cabelo crespo, olhos como a noite, brilhantes. Dá vontade de lhe perguntar … More Diário da Copa – O dia em que Marcelo foi herói

Diário da Copa – O dia em que Portugal “caiu fora”

Acabo de chegar da Casa de Portugal em São Paulo. Fui assistir sozinha ao jogo entre Portugal e o Gana. Gosto de exercitar a dúvida – será que é mesmo assim? será que tudo está perdido? – e sou por natureza uma optimista. Acredito que há sempre um novo dia, vinte quatro horas em que … More Diário da Copa – O dia em que Portugal “caiu fora”

Diário da Copa – Diálogo comigo mesma

Todos os sábados há uma feira encantadora na Praça Benedito Calixto com sua atmosfera de  quase café de bairro, próxima, simpática, familiar. Antiguidades com patine adquirida, livros, discos, artesanato. Insuspeita maravilha que só vendo por dentro. Percorre-la é um bálsamo para a alma numa cidade agitada, histriónica. A redescoberta da lentidão. Sinto-me entre Buenos Aires e Paris, ali bem … More Diário da Copa – Diálogo comigo mesma

Diário da Copa – nestas coisas de futebol sou um homem

Sentada no Bar Zurique com um chopinho à frente prepara-me para o jogo. Aguenta coração. Sou a única portuguesa no local e estou (piedosamente) acompanhada de um jornalista alemão (don’t mention o primeiro jogo). Já não tenho unhas e treme-me a voz ao cantar o hino. Os coreanos da mesa em frente aplaudem e sorriem-me. … More Diário da Copa – nestas coisas de futebol sou um homem

Diário da Copa – Livraria Cultura

É a hora antes do poente. O céu está cinza. Um vento gelado anuncia mais do que o fim da tarde na Avenida Paulista, é prefácio do Inverno. Há uma efervescência aqui. Gente apressada, vendedores de rua, mendigos, polícia, skates, vozes, carros, turistas. É  bom caminhar pela Paulista. Gostoso. A conversa rola fácil. Todo Brasil está em … More Diário da Copa – Livraria Cultura

Diário da Copa – Humor brasileiro

Abrir parêntesis. Por vezes o meu mundo de estrangeira, de europeia cruza-se na intersecção da violência com um mundo paralelo de geografias supostamente sem esperança. Aqui em São Paulo, no Rio, subir a ladeira, subir o morro até à favela tornou-se numa atracção para gringo. Adrenalina e cartão-postal. Pornográfica fotogenia .Quase zoológico-chique. Se os gringos, … More Diário da Copa – Humor brasileiro

Revolta da Farofa

Das muitas coisas de que gosto no Brasil, país onde a gentileza humana parece ter feito o seu último reduto, há uma que amo de paixão: o neologismo. Os brasileiros nasceram com a virtude do neologismo. Ninguém samba com tanta graciosidade com as palavras. Um samba tão completo que não precisa de metáforas. O neologismo … More Revolta da Farofa

Santa Elena do Contrabando e outras histórias de fronteira

1. Lá no fim do mapa do Brasil ou no princípio, tudo uma questão de ponto de vista, encostado à Guyana e à Venezuela fica Roraima, estado brasileiro onde cabem dois Portugais, com quase dois mil quilómetros de fronteira aberta a todos os tráficos. A cerca de 230 quilómetros de Boa Vista, capital de Roraima, … More Santa Elena do Contrabando e outras histórias de fronteira

A Selva

Que maior homenagem se pode fazer a um livro? Relê-lo? Não. Visitá-lo. Da caótica Marina do Davi, na Ponta Negra, em Manaus, partem lanchas brancas e vermelhas. Sem horário. Largam amarras quando estão completas. A lancha desliza veloz pelo igarapé de São João, um dos braços de rio do sedoso Rio Negro. Nossa Senhora de … More A Selva

Peixes-pássaros e outras histórias da Amazónia

Quando as águas mornas e cristalinas do Tapajós começam a descer a ilha do Amor, uma língua de areia cor de pérola torna-se praia. A poucos metros de distância da vila de pescadores de Alter-do-Chão. Impossível tanta perfeição, que fere e seduz no mesmo ápice. Navegamos próximo da ilha, ainda estreita, que o Verão, apesar … More Peixes-pássaros e outras histórias da Amazónia