Quarenta anos após a morte de Amílcar Cabral o que resta do seu sonho africano?

“Amílcar Cabral foi em meu entender o mais inteligente, o mais criativo e o mais brilhante de todos os dirigentes da luta de libertação dos povos africanos colonizados naquela altura pelo regime português”, afirma Manuel Alegre. O poeta, político português Manuel Alegre recorda-se de um dia em Argel, onde o português estava exilado, Amílcar Cabral … More Quarenta anos após a morte de Amílcar Cabral o que resta do seu sonho africano?

Da Guiné. Das palavras

Está nú. Grita “sombra,sombra”. Uma lona protege-o do sol cortante. A sombra será o derradeiro conforto do soldado na insanidade da guerra colonial. É díficil não adivinhar os traços da Pietà na imagem daqueles homens que embalam nos braços o companheiro agonizante. “Estás à sombra.Porra!” Precisei  de anos para conseguir  ver esta reportagem, de 1969, … More Da Guiné. Das palavras

Pano de Pente

A memória é isto: uma ampliação  máxima partindo de pormenores mínimos. Coisas pequenas: uma mala feita de pano de pente. Obra do vocabulário áspero e secreto dos tecelões manjacos e papeis. Evoca tempestades mais longas que o habitual. E as águas quentes, cordas grossas de chuva, que fazem do chão líquido tapete rubro. Odores de … More Pano de Pente

Quarto com vista

Existe em Bissau um quarto com vista sobre a cidade. Instalei-me nele com mala de viagem e perturbação. É um quarto de onde se avista o porto e a avenida de costas voltadas para a estátua de Amílcar Cabral. Lá baixo na rua, o prédio dos correios, e ao lado uma ruína, abraçada por uma … More Quarto com vista