Em tempos de pandemia, humanidade

Um bairro de uma cidade alemã, também em quarentena, canta “Bella Ciao”, em solidariedade com a Itália. Há aqui uma ironia histórica e também uma grande lição: sendo originalmente uma canção de resistência camponesa, no século XIX, tornou-se no hino hino de resistência antifascista e anti ocupação nazi dos partigiani, na 2ª guerra mundial. E … More Em tempos de pandemia, humanidade

Auschwitz em Lisboa

Umas horas não chegam para contar como Esther sobreviveu a Auschwitz, graças a um acordeão, e actuou esta noite na Escola Alemã de Lisboa. E neste agora-aqui, com integridade, com humor, com a capacidade de dizer muito, tanto com poucas palavras. Aos 95 anos ainda tem a voz clara, enche um palco apesar de ser … More Auschwitz em Lisboa

Migrantes

Quando olham para esta fotografia o que veem ? Eu vejo a minha neta mais nova, que não herdou os olhos castanhos da avó, nem os verdes da mãe, herdou os azuis do pai. Vejo um bebé lindo, de catálogo, pele clara, cabelo cor de manteiga açoreana, olhos cor de mar das Caraíbas. E se … More Migrantes

O estado da Europa

Jean-Claude Juncker tomou hoje o pulso à Europa num discurso perante o Parlamento Europeu. Entre outras propostas afirmou que em 2019, todos os países da UE devem estar na zona euro, no espaço de Schengen (zona de livre circulação) e na união bancária. Ou seja propõe uma Europa a uma velocidade, tarefa que o Brexit … More O estado da Europa

Da grandeza: 

Hesitante entrou numa cadeia de fastfood alemã que serve peixe. Era um desses dias claros e de termómetro benevolente. A velha senhora era alta, vestida de branco. Cabelo alvo, penteado com aprumo e preso por ganchos. Encomendou a refeição e sentou-se, com dificuldade. Deve ter sido uma mulher belíssima. Ainda o é no Inverno da … More Da grandeza: 

Carta de despedida

Algo precisa ser feito quando o vazio nos ronda com sua lucidez implacável. Escrevo-te.  Não sei em que momento comecei a perder-te, nem tão pouco como sucedeu esta lenta despedida. O único que sinto é a tua ausência e ainda nem parti. Nunca tive jeito para dizer adeus e é o que tenho feito nos … More Carta de despedida

Da Síria

” A cidade é tão antiga como a eternidade e mesmo assim nova, nunca para de renascer”. As palavras são do viajante Ibn Djubair, foram escritas no século XII e a cidade eterna é Allepo, nas margens do Kuwaik.  Uma das primeiras referências a Damasco, a cidade onde terá nascido Abrãao, é feita no livro … More Da Síria

Estrangeiros do nosso ontem ou crónica que (quase) ninguém lê

Na Praça Roncalli, em frente à Catedral de Colónia, foi colocado um barco. Confiscado pela marinha maltesa e comprado pelo Cardeal, Rainer Maria Woelki. A bordo dele, no meio momento em que foi apresado no mar Mediterrâneo, estavam entre 80 a 100 pessoas que haviam largado de areias líbias. O Cardeal fez dele altar há … More Estrangeiros do nosso ontem ou crónica que (quase) ninguém lê

Os lápis

Os lápis, em si, são banais. Vendem-se em qualquer papelaria ou estão a uma mão de agarrar numa qualquer prateleira de supermercado. Será mesmo assim? Não encerram os lápis de cor e as canetas de feltro a possibilidade de um jardim? Ou de algo bonito? Um momento só nosso, de isolamento, o regresso a um … More Os lápis

Rabanetes: ou a prosaica aproximação entre alemães e sírios 

Khaldon calça umas galochas enlameadas e esfrega as mãos uma na outra. A chuva gelada de Fevereiro, a uma hora em que até as árvores ainda estão a dormir, não o incomoda. “É tão bonito isto aqui”, diz este homem corpulento, de olhos castanhos, quentes. “Como uma aldeia. Muitas vezes sentamo-nos aqui a beber chá … More Rabanetes: ou a prosaica aproximação entre alemães e sírios 

Europa das cercas 

Escrevo estas notas breves no iPhone sentada numa mesa de café no aeroporto de Colónia. Passei o controlo de segurança de forma rápida e mecânica. Sinto que o mundo está em mudança, mas não consigo imaginar o regresso do controlo de passaportes no espaço europeu. A última vez que um polícia fronteiriço, no velho continente, … More Europa das cercas 

Auschwitz:da amnésia à memória

Como respeitar o carácter único de um acontecimento inscrevendo-o na história, contextualizando-o, sem o trivializar, sem o instrumentalizar e respeitando o imperativo categórico da memória? Setenta e um anos após Auschwitz, o “Lager” que se tornou no símbolo do genocídio “industrial” dos judeus, a Alemanha fez um longo, intenso, doloroso e exemplar percurso de confronto com … More Auschwitz:da amnésia à memória

Praia dos medos

Quem conta uma história teme por vezes não estar à altura. Contar é dar palavras ao outro, dar memória, recordações, por vezes é uma aventura pessoal que faz com que se vá ao fundo de si, por vezes é como fazer rodar uma chave reticente. À minha frente na mesa sentam-se três crianças. Nove anos, … More Praia dos medos

Recantos do Natal

1. Como falar do Natal? Evitar o tema porque ele está carregado de lugares comuns? Maldizer a sociedade de consumo? Apontar o dedo às ceias onde se contam as horas para que acabe? Não esperem isso de mim. O Natal é um tempo aconchegado. Das minhas consoadas portuguesas e alemãs, com bonecos de neve e … More Recantos do Natal

Avarias

Não existe nada mais capaz de estimular a imaginação humana do que uma avaria no carro. Acompanhem-me. Esta manhã, depois dos rituais que contribuem para um spa da alma – traduza-se tomar um café no lugar habitual e ler umas páginas do romance A Irmã de Sandór Marai, um livro intenso e delicado – peguei … More Avarias

O reconciliador

Richard von Weizsäcker, filho de uma família de diplomatas, tinha o raro dom da palavra. Pesava-as na balança de ourives. Nunca antes tinha acontecido na Alemanha. Por todo o país as pessoas precipitaram-se para as livrarias para comprar o livro de um político. Não um livro qualquer, mas o que continha o discurso do presidente, … More O reconciliador