O canalha

Há poucos autores que escrevam sobre canalhas como Nelson Rodrigues. Na crónica “O Juiz ( árbitro) ladrão” escreve que “o pulha costuma ter uma fluorescente aura de simpatia”, o canalha “é sempre um cordial, um ameno, um amorável”. Ou seja a coluna dorsal do canalha é a falsidade ( é uma contradição em termos escrever … More O canalha

Os ténis brancos  

Há alturas em que despertava sobressaltado a meio da noite com receio de ser descoberto. Apareciam-lhe personagens, vindas de um canto obscuro e desconhecido da sua mente. Escutava suspenso, com os ombros contraídos e as mãos fechadas, quando tinha a certeza que não ouvia nada e o medo se esfumava voltava a adormecer. Geralmente acordava … More Os ténis brancos  

Crónicas de viagem (3) – Postais de Nakifulube)

Almocei na berma da estrada (ugali, feijões guisados picantes, banana frita acompanhados pela inevitável coca-cola). Estou alojada na margem do lago Vitória, o maior lago do continente africano, maior lago tropical no mundo e com uma área equivalente à da Irlanda. Um horizonte infinito. Ontem tomei a decisão certa ao não ter continuado viagem. A … More Crónicas de viagem (3) – Postais de Nakifulube)

Crónicas de viagem ( 1) – Bruxelas – Entebbe

Neva em Bruxelas. Muito. Fui tomar um cappuccino antes de embarcar, à minha frente o Tim pedia dois latte. Teve dificuldade em equilibra-los numa mão enquanto noutra mantinha segurava a metralhadora. A nova normalidade é conversar num café de aeroporto com um soldado pesadamente armado. São simpáticos e prestáveis os militares no aeroporto. Leio uma … More Crónicas de viagem ( 1) – Bruxelas – Entebbe

Vai-te embora. Por favor não leias este texto

Em 2006 uma palavra entrou no dicionários de inglês: “pizzled”, uma amálgama entre “puzzled” (perplexo) e “pissed off” (fulo). Esta palavra designava o sentimento quando alguém a meio de uma conversa sacava do telemóvel e começava a falar com outra pessoa. Nessa altura as pessoas sentiam-se ofendidas e indignadas. Uma década depois a desatenção parece … More Vai-te embora. Por favor não leias este texto

Merkel, a esfinge

  Gobbledygook é um neologismo que descreve linguagem obscura ou difícil de compreender. A palavra, inspirada pelo grugulhar do peru, foi criada em 1944 pelo congressista norte-americano, Maury Maverick, que estava farto da linguagem indecifrável usada pelo governo e pelos políticos. Quem tem estado minimamente atento à política alemã sabe que um dos pontos fortes … More Merkel, a esfinge

“Damn you, Siachen”

Em tempos num país asiático conversava com um militar indiano sobre a independência, o colonialismo britânico e a hostilidade entre a Índia e o Paquistão, países que nasceram do fogo. Talvez muitos não se lembrem mas após 15 de Agosto de 1947( data da retirada dos britânicos) houve uma migração extraordinária de pessoas: hindus e … More “Damn you, Siachen”

O estado da Europa

Jean-Claude Juncker tomou hoje o pulso à Europa num discurso perante o Parlamento Europeu. Entre outras propostas afirmou que em 2019, todos os países da UE devem estar na zona euro, no espaço de Schengen (zona de livre circulação) e na união bancária. Ou seja propõe uma Europa a uma velocidade, tarefa que o Brexit … More O estado da Europa

Porque é que o paraquedismo é o melhor desporto do mundo ? 

Da queda-livre: A partir dos quarenta apercebemo-nos que o tempo corre contra nós. E que podemos aterrar com vento de nariz ( vento contrário mas que nos estabiliza ) ou voar ao sabor do vento.  Penso que procuramos sobretudo o que nos dá felicidade. Procuramos o que nos cria uma certa libertação íntima que é … More Porque é que o paraquedismo é o melhor desporto do mundo ? 

Da grandeza: 

Hesitante entrou numa cadeia de fastfood alemã que serve peixe. Era um desses dias claros e de termómetro benevolente. A velha senhora era alta, vestida de branco. Cabelo alvo, penteado com aprumo e preso por ganchos. Encomendou a refeição e sentou-se, com dificuldade. Deve ter sido uma mulher belíssima. Ainda o é no Inverno da … More Da grandeza: 

Ackchwurly….

O Manglish (inglês malaio) é uma das coisas mais divertidas que existe. Além dos pronomes e dos tempos verbais serem descartados a pronúncia de certas palavras torna-as quase irreconhecíveis. Alguns exemplos: Baiwanfriwan ( buy one and you get one free)  Ackchwurly (actually) Ou a minha favorita: Debladigarmen (the bloody goverment) As conversas com taxistas são … More Ackchwurly….

Diz-me a música do teu telemóvel, dir-te-ei quem és

Corria a manhã amena, o banalíssimo quadro do quotidiano foi interrompido por erupções da fantasia mais delirante. E a culpa é dela, da S. que partilha comigo o gabinete. Do nada demos por nós na Buenos Aires do início do século XX, que se assemelhava a uma grande capital de província, povoada de imigrantes oriundos … More Diz-me a música do teu telemóvel, dir-te-ei quem és

Carta de despedida

Algo precisa ser feito quando o vazio nos ronda com sua lucidez implacável. Escrevo-te.  Não sei em que momento comecei a perder-te, nem tão pouco como sucedeu esta lenta despedida. O único que sinto é a tua ausência e ainda nem parti. Nunca tive jeito para dizer adeus e é o que tenho feito nos … More Carta de despedida

A avó – histórias do Bangladesh 

Espiãs, contrabandistas de armas, combatentes. Violadas. A história da guerra da independência do Bangladesh, em 1971, que fez 3 milhões de mortos em 9 nove meses de conflito, também se escreve no feminino. Durante esse período 250 mil mulheres foram violadas pelo exército paquistanês, que usando a violação como arma de guerra tentou alterar permanentemente … More A avó – histórias do Bangladesh