Ackchwurly….

O Manglish (inglês malaio) é uma das coisas mais divertidas que existe. Além dos pronomes e dos tempos verbais serem descartados a pronúncia de certas palavras torna-as quase irreconhecíveis. Alguns exemplos: Baiwanfriwan ( buy one and you get one free)  Ackchwurly (actually) Ou a minha favorita: Debladigarmen (the bloody goverment) As conversas com taxistas são … More Ackchwurly….

Mulheres de barro

  Entre as recordações mais felizes do meu tempo de escola contam-se as horas em me permitiram ser ceramista, sujar as mãos de barro, tocar a terra na sua essência e dar-lhe forma, como uma qualquer deusa menor. Deslumbram-me os ceramistas e fascina-me a moçambicana Reinata Sadimba. Pela obra, pela vida. Nasceu no Nimo em … More Mulheres de barro

Avarias

Não existe nada mais capaz de estimular a imaginação humana do que uma avaria no carro. Acompanhem-me. Esta manhã, depois dos rituais que contribuem para um spa da alma – traduza-se tomar um café no lugar habitual e ler umas páginas do romance A Irmã de Sandór Marai, um livro intenso e delicado – peguei … More Avarias

Postais de Utrecht

Há coisas que não são para se perceberem. O prazer da viagem é uma delas. É como assistir ao seu filme preferido e de cada vez viver um final diferente. Ser personagem de um reality show cujo prémio é a descoberta, de si, do outro. Ou apaixonar-se de verdade, num amor sem medos, sem comodismos, … More Postais de Utrecht

O sistema -take 3

Escrevo sentada no ICE, comboio rápido, que me devia levar do aeroporto de Frankfurt a Bona. Devia. Depois de uma paragem de vinte minutos num túnel numa carruagem sem ar condicionado ( avariado, um clássico da Deutsche Bahn) o maquinista anunciou que o comboio devido a um “problema” seguiria até Colónia. Isto após uma das … More O sistema -take 3

Sob céus andinos

1. Devo à espanhola Icíar Bollaín (realizadora de “Tambíen la lluvia”, que venceu o prémio do público na Berlinale em 2011) ter visitado Cochabamba mesmo antes de apanhar o meu voo de Frankfurt. No ano 2000 o Banco Mundial forçou o presidente boliviano, Hugo Banzer, a quem alguns chamam chamam ex-ditador, como se um ditador … More Sob céus andinos

Cruzamentos

1.Escrevo sentada no aeroporto de Buenos Aires, com a cabeça cheia de tango, enquanto o espero pelo voo atrasado que me levará a Cochabamba. Para distrair o espírito durante a viagem li a biografia de Werner Guttentag, judeu alemão de Breslau, que escapou à treva nacional-socialista , fugindo para a Bolívia em 1939, tinha então … More Cruzamentos

“Estamos a atravessar uma zona de turbulências”

Quem não tiver a preparação física necessária para a correr a maratona de Nova Iorque não deve fazer viagens intercontinentais que tenham como ponto de partido o aeroporto de Frankfurt. A Alemanha não é maior que os Estados Unidos, porém em Frankfurt cabe à vontade todo o continente americano. Depois do check-in em A 336 … More “Estamos a atravessar uma zona de turbulências”

Olinda

O casario está pousado nas colinas. Que são sete como em Lisboa. Património da Humanidade classificado pela Unesco. Panorâmica geral: cores vivas, azul, rosa, verde, amarelo, pontuada pelo branco e amarelo das igrejas e a moldura do Atlântico, que aqui é de cetim turquesa, com um pesponto no horizonte.”Olinda é só para os olhos,/não se … More Olinda

Ataúro Express

O plano era simples. Passar o fim de semana em Ataúro, ilhéu-prisão onde se fechou o ciclo colonial português em Timor-Leste, com a partida do último governador Lemos Pires, em Setembro de 1975, a bordo do pequeno Manatuto. Paraíso hoje, ontem chão de desterrados de Salazar e de Suharto. Comprado o bilhete para o Berlin … More Ataúro Express

Singapura a imperfeita

Algumas horas antes de aterrar em Changi as hospedeiras distribuem os habituais formulários de fronteira e uma brochura informativa sobre os artigos proibidos em Singapura. Por entre os itens comuns surge o inesperado:pastilhas elásticas. Desde 1992 que o consumo público e a comercialização de pastilhas elásticas é proibido no país. Upsss. Acende-se uma luz vermelha … More Singapura a imperfeita

Por terras de Maiongong, Wapixana, Yanomani e gentes acolhedoras

1. Em Roraima, “monte verde” (para os macuxi)”mãe dos ventos” (para os pemon e taurepang) ou “serra do cajú”, situa-se a única capital brasileira a norte da linha do Equador, Boa Vista. Aqui a chuva ainda não levou o Verão e a sensação térmica é de 50 graus embora o termómetro só tenha marcado 39 … More Por terras de Maiongong, Wapixana, Yanomani e gentes acolhedoras

Viagem

É o vento que me leva. O vento lusitano. É este sopro humano Universal Que enfuna a inquietação de Portugal. É esta fúria de loucura mansa Que tudo alcança Sem alcançar. Que vai de céu em céu, De mar em mar, Até nunca chegar. E esta tentação de me encontrar Mais rico de amargura Nas … More Viagem

Pis Kabalu

As grandes ideias cabem muitas vezes no interior de uma mala de senhora. Confirmo isso ao ler uma página*que imprimi logo pela manhã e coloquei dentro da mala. Aquele pedaço de papel plantou em mim a semente de uma viagem, que exige loucura e alguma coragem Nenhum outro lugar se prestaria para esta viagem de … More Pis Kabalu

O mundo é um T0

“Meme” (Grande mãe) Helen. Gostava que acompanhasse hoje uma reportagem importante. É aqui perto. E é muito importante”. Não havia como recusar o pedido da directora da NBC Oshiwanyama. Perguntei qual era o tema: o início (simbólico porque estamos em época de chuvas) da construcão de uma estrada de gravilha, com a presença do ministro … More O mundo é um T0

Valeu Balsas!

Nome de baptismo : Santo António de Balsas. Nome comum: Balsas. Cá está o rio, epicentro da cidade. E logo à direita a ponte de madeira. Para onde ir? Rumo à margem. Olho a dança da luz sobre a água. Impiedoso, o calor de Inverno desaba sobre mim. Quase quarenta graus nas primeiras horas da … More Valeu Balsas!

Que livro levaria para uma ilha deserta?

É um evergreen. A pergunta faz-se em todos os idiomas e a resposta pode ser embaraçosa ou previsível. Irritantemente previsível.  Que livro levar para uma ilha deserta? O Ulysses cheio das suas suas pequenas odisseias? A poesia de Sophia onde “Não há nenhum vestígio de impureza,/Aqui onde há somente/Ondas tombando ininterruptamente,/Puro espaço e lúcida unidade,/Aqui … More Que livro levaria para uma ilha deserta?

Até já

Este blog está de partida para Moçambique. Espero poder ter estórias para contar com oÍndico no horizonte e o Gorongosa como quintal. Até já!   Viajar! Perder países! Ser outro constantemente, Por a alma não ter raízes De viver de ver somente! Não pertencer nem a mim! Ir em frente, ir a seguir A ausência … More Até já