Bebés danificados: a indústria da gravidez de substituição

Alguns choram no berço. Outros são embalados ou amamentados a biberão por empregadas. Os récem nascidos não estão no berçário de uma maternidade, estão alinhados no lobby de um edifício de nome improvável, Hotel Venice, guardados por muros e arame farpado. As crianças são filhas de casais estrangeiros, nascidas na Kiev através de mães de … More Bebés danificados: a indústria da gravidez de substituição

Ninguém é uma ilha

Em Lost Connections, Johann Hari escreve sobre as suas décadas de trabalho nas áreas do  trauma e da saúde mental e explica por que acredita que na origem de  quase tudo  o que sofremos está uma conexão cortada que nunca descobrimos como reparar. A dado momento, Hari refere-se a uma clínica de obesidade, onde os … More Ninguém é uma ilha

Caleidoscópio

Há dias assim. Sufocantes. Diante de mim uma evidência. Já gastei talvez três quartos do tempo máximo que me foi reservado na Terra, talvez mais. Não tenho outro remédio senão admitir a minha fragilidade, o meu fracasso. Queria ter feito mais, melhor. Faltam-me as forças. Tentei como escreveu maravilhosamente Eliane Brum, a propósito de ser … More Caleidoscópio

Porque se calam?

Em 2010 uma europeia viajou para um país africano desses que quase ninguém sabe localizar no mapa. Tinha como alojamento uma cabana de madeira individual, como as que existem em muitas unidades hoteleiras africanas. Diariamente era acompanhada por um motorista/segurança local porque naquela zona de fronteira os assassínios ou os raptos eram banais. A rotina … More Porque se calam?

Merkel, a esfinge

  Gobbledygook é um neologismo que descreve linguagem obscura ou difícil de compreender. A palavra, inspirada pelo grugulhar do peru, foi criada em 1944 pelo congressista norte-americano, Maury Maverick, que estava farto da linguagem indecifrável usada pelo governo e pelos políticos. Quem tem estado minimamente atento à política alemã sabe que um dos pontos fortes … More Merkel, a esfinge

Notas breves sobre o ataque terrorista de Londres

  1. O estudo dos modelos de actuação dos grupos terroristas permite a definição de padrões de operacionalidade. Todavia no caso do terrorismo islâmico, a sua forma de actuação não é linear, verificando-se o cruzamento de um nível de elevada, média e baixa intensidade letal – medido pelo grau de danos humanos e físicos provocados … More Notas breves sobre o ataque terrorista de Londres

Estrangeiros do nosso ontem ou crónica que (quase) ninguém lê

Na Praça Roncalli, em frente à Catedral de Colónia, foi colocado um barco. Confiscado pela marinha maltesa e comprado pelo Cardeal, Rainer Maria Woelki. A bordo dele, no meio momento em que foi apresado no mar Mediterrâneo, estavam entre 80 a 100 pessoas que haviam largado de areias líbias. O Cardeal fez dele altar há … More Estrangeiros do nosso ontem ou crónica que (quase) ninguém lê

Presa, predadores e as « selvas » europeias

Violadas, forçadas a prostituir-se, a roubar, a trabalhar para traficantes de pessoas. O ser-se criança e refugiado tem muitas cores, quase todas feias. Retrato da selva no país do Euro. Retrato da Europa no século XXI. Cinco euros.  O que num café dos Campos Elíseos não seria suficiente para pagar um éclair e um cafe … More Presa, predadores e as « selvas » europeias

A filha descartável

Esta crónica não tem a pretensão de ser imparcial, e não tem porque todos somos parte de alguma coisa, nos inscrevemos por alguma causa. Mas já lá vamos. A história do industrial milionário que andou décadas a furtar-se a reconhecer a paternidade, e quando, por fim o teste de ADN a provou, tenta deserdar a filha … More A filha descartável

“Que só o prato revele o melhor, o mais humano”

Gosto de cozinha, sobretudo de cozinha com histórias. Herdei vários livros de culinária, outros que comprei e evocam memórias afectivas de viagens ou de uma sobremesa memorável. Das muitas guloseimas que me fascinam há uma, simultaneamente despretensiosa e subtil, que faz as delícias das minhas manhãs: o croissant de manteiga. Estaladiço e a derreter-se na … More “Que só o prato revele o melhor, o mais humano”

Conto de Ano Novo

Havia um muro de pedra que bordava o caminho. Bordava e ainda borda. Eu é não passo naquele caminho há muito tempo, nem vejo a silhueta do muro recortada contra o céu a despedir-se da noite. Nem prendo o olhar nas maçãs bravo-de-esmolfe, nos  medronheiros  ou no pessegueiro ao fundo. Era véspera de Ano Novo. … More Conto de Ano Novo

Brevíssimas notas

Às vezes parece-me que a vida é como encontrar pessoas num comboio. Começamos a gostar delas e elas descem numa paragem não prevista e nós seguimos. Com outros passageiros, numa outra carruagem. E não sabemos qual vai ser a nossa derradeira paragem. 2.  Algumas pessoas são como o corrector automático do iPhone, em     … More Brevíssimas notas

Montar em pelo

  Não sei se já alguma vez montou sem sela, nem estribo, nem freio, de olhos fechados. Este contacto directo entre cavalo e cavaleiro permite sentir a suavidade do pelo, a calma do corpo do cavalo, a confiança dos seus movimentos. Liberdade absoluta. Vulnerabilidade absoluta. Sem violência, sem intimidação o cavalo é controlado pela voz. Pela … More Montar em pelo

Que venha o fim

Que venha o fim então.  Belo como uma letra grega, Como um punhal. E corte as amarras que me prendem ao possível. Não fique prisioneira das horas de ternura. Se o amor aprisiona, cerro os olhos para não ver o espectáculo do veleiro que parte. Só necessito saber-te no vento agreste. Que venha o fim … More Que venha o fim

Diário da Copa – A feijoada da Clara #Dia 2

Ali no alto do morro, bem alto a vista é de cortar a respiração. São Paulo, a cidade-país, é um horizonte geométrico. Paralelepípedos rasgam o céu. Milhares de torres. De um condomínio em frente esvoaça um bandeira. Tecido esvoaçante que parte do 23 andar e termina no segundo. Sessenta e nove metros de comprimento por … More Diário da Copa – A feijoada da Clara #Dia 2

Porque é que certas coisas banais têm a ver com a liberdade ?

Na defesa de valores não pode haver lugar para Pilatos. Antes de sermos apanhados de surpresa por uma total inversão de valores, é bom estar atento aos sinais. Estes são os factos: uma adolescente muçulmana pretendia não ter de frequentar aulas de natação, numa escola de Frankfurt, mesmo usando burkini, porque se sentia ofendida nas … More Porque é que certas coisas banais têm a ver com a liberdade ?