A propósito de Grass lembrei-me de Fest*

Se é possível falar de um “quinto poder”, um poder intelectual na Alemanha, então o escritor Günter Grass e o historiador Joachim Fest [entretanto falecido] são dois dos seus representantes mais influentes. Ambos da geração dos Flakhelfer – que designa os alemães que na adolescência foram chamados a entrar numa guerra perdida – Grass, o … More A propósito de Grass lembrei-me de Fest*

Desamparo

Na brevíssima passagem por Lisboa, este fim-de-semana, encontrei-me com um amigo de que gosto muito. Encontrar não será talvez o verbo adequado, retomamos uma velha conversa inacabada, conspiramos o necessário sobre política e falamos de viagens e escritores. Dizia o meu amigo que “estava a mudar de pele”. Às vezes por excesso outras por carência, … More Desamparo

O irmão alemão

Fechem os olhos e escutem, escutem. Um poeta como o Chico é um  interrogador, fazendo perguntas ao mundo, à realidade, a si próprio. Este vídeo, em que o Chico lê um excerto do seu novo romance “O Irmão Alemão”, foi-me enviado por uma amiga querida e iluminou-me a tarde. Partilho-o  porque acredito que mais  do que ampliar solidões, … More O irmão alemão

O Prémio Leya

A minha vida anda tão aborrecida como a formação do governo alemão. Alguém já experimentou “a coligação governamental de Berlim” como tema de conversa? Bem, a conversa entra em rigor mortis. Estava em posta no meu “Ennui”, ao cabo de dias de confinamento em seminários e gabinetes, com manifesta falta de tema consistente e interessante … More O Prémio Leya

Em modo countdown para o Nobel da Literatura

Os prémios literários constituem o elemento mais visível dos mecanismos de consagração dos autores ou seja uma espécie de confirmação para o “uso” do grande público. Primus inter pares, o Nobel da Literatura é uma espécie de meridiano de Greenwich do sistema literário, embora raramente desafie o quadro de referências eurocêntricas e de um certo, … More Em modo countdown para o Nobel da Literatura

“Não fales”

Quando o escritor chinês Mo Yan participou da Feira do Livro de Frankfurt  em 2009,contou um episódio que supostamente cada criança chinesa conhece: Beethoven e Goethe caminham juntos. De repente passa um coche com o rei. Beethoven permanece desafiador e mantém a cabeça erguida . Goethe, no entanto, tira o chapéu e faz uma vénia. Mo Yan disse que … More “Não fales”

Saudade

“Saudade é não saber. Não saber o que fazer com os dias que ficaram mais compridos, não saber como encontrar tarefas que lhe cessem o pensamento, não saber como frear as lágrimas diante de uma música, não saber como vencer a dor de um silêncio que nada preenche”. (Martha Medeiros)

Os livros

O Pedro Correia convidou-me a despir em público. Desnudar o gosto literário entenda-se. Os livros de que se gosta deviam ser um dos últimos redutos do pudor. Não por receio da crítica alheia, mas porque a leitura é para mim a antítese do público. É íntima, deixa marcas, bocados de perfeição, provoca ódios e comoções, … More Os livros

Morreu o preso 44904

Naquele dia 11 de Abril de 1945 dois homens descem do Jeep e contemplam a inscrição em letras de ferro forjado na entrada de Buchenwald: “Jedem das Seine”. Cinismo feito de ferro, falar de igualdade num local onde só existia,para os deportados, igualdade perante a morte. Não se sabe o que esses dois homens pensaram … More Morreu o preso 44904

E-Books?

A idade vai-nos tornando mais sábios e coloca as coisas em perspectiva.Para mim uma pessoa sem memória é como um navegador sem bússola. No balanço entre as coisas que recordo e as procuro esquecer ficam sobretudo aquelas associadas aos livros, aos meus livros. Em papel. Recentemente um amigo perguntava-me quando é que me rendia aos … More E-Books?

A cadeira vazia

  Uma  cadeira vazia  simboliza o lugar que hoje  estará por preencher, em Oslo, na cerimónia da “entrega” do Nobel da Paz 2010, a Liu Xiaobo. Cerimónia a que o filosófo “subversivo”  faltará por ser mantido como prisioneiro político na China. Já aqui escrevi que Liu Xiaobo paga o preço da coragem, mas nenhum poder o fechou. Liu … More A cadeira vazia

Elogio da Leitura

  “Aprendí a leer a los cinco años, en la clase del hermano Justiniano, en el Colegio de la Salle, en Cochabamba (Bolivia). Es la cosa más importante que me ha pasado en la vida. Casi setenta años después recuerdo con nitidez cómo esa magia, traducir las palabras de los libros en imágenes, enriqueció mi … More Elogio da Leitura

Anjo Branco

A J.K. Rowling portuguesa, José Rodrigues dos Santos, pode não ter descoberto a fórmula de Deus, mas descobriu seguramente a fórmula de Midas. Traduzido em dezassete idiomas, José Rodrigues dos Santos vendeu mais de um milhão de exemplares dos seus romances. O último lançado há poucos dias, “O Anjo Branco”, é sobre a vida dos … More Anjo Branco

A palavra certa

Por mais paradoxo que pareça aquilo que mais o atrai não é escrever, mas “reescrever, cortar, acrescentar”. Mario Vargas Llosa tem uma obsessão : a palavra certa, a perfeita.  E escreve “porque não é feliz”. A escrita é a sua forma de exorcizar a infelicidade. Há vários anos que o seu nome figurava entre os … More A palavra certa

A propósito da Feira do Livro de Frankfurt

  Uma vez mais a capital financeira da Alemanha, Frankfurt, vai acolher a superlativa Feira do Livro. Este ano o país convidado é a Argentina de José Luis Borges. Um milhar de autores – não posso dizer escritores porque muitos deles não o  são – passará pelos corredores da Feira. Quem sabe entre eles não esteja … More A propósito da Feira do Livro de Frankfurt

(A) Cobra (guineense)

Frederick Forsyth é responsável por mais noites sem dormir do que um bebé recém-nascido. Tal como os seus thrillers – O Dossier Odessa, O Quarto Protocolo, O Afegão – a sua vida tem sido recheada de adrenalina. Foi interrogado pela Stasi na RDA, espiado pelo KGB em Moscovo e baleado no Biafra. Não se poupa a … More (A) Cobra (guineense)

Adeus José

  Todos os dias têm a sua história, um só minuto levaria anos a contar, o mínimo gesto, o descasque miudinho duma palavra, duma sílaba, dum som, para já não falar dos pensamentos, que é coisa de muito estofo, pensar no que se pensa, ou pensou, ou está pensando, e que pensamento é esse que … More Adeus José

Amin Maalouf vence Prémio Príncipe das Astúrias das Letras

A escolha do júri do Prémio Príncipe das Astúrias de Letras recaiu sobre um autor incómodo, sobre um homem livre que acredita que a universalidade dos valores não é incompatível com a diversidade das culturas: o  escritor libanês Amin Maalouf. Nascido em Beirute em 1949, mas residente em Paris desde 1975, Maalouf dedicou grande parte do … More Amin Maalouf vence Prémio Príncipe das Astúrias das Letras

Caderno Afegão

O Afeganistão é, aqui no conforto do Ocidente, uma amálgama de ideias vagas e lugares comuns. País inóspito, mortos, feridos, atentados, burqas e talibans. Não imaginamos que lá existe uma equipa de boxe feminina, que nas rotundas de Cabul há “rosas lindas”  ou que a quase três mil metros de altitude, por entre montanhas dramáticas, se encontra … More Caderno Afegão