10 de Junho 2020

O QUE É AMAR UM PAÍS Agradeço ao senhor Presidente o convite para presidir à Comissão das comemorações do dia 10 de Junho, Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades. Estas comemorações estavam para acontecer não só com outro formato, mas também noutro lugar, a Madeira. No poema inicial do seu livro intitulado Flash, … More 10 de Junho 2020

Auschwitz em Lisboa

Umas horas não chegam para contar como Esther sobreviveu a Auschwitz, graças a um acordeão, e actuou esta noite na Escola Alemã de Lisboa. E neste agora-aqui, com integridade, com humor, com a capacidade de dizer muito, tanto com poucas palavras. Aos 95 anos ainda tem a voz clara, enche um palco apesar de ser … More Auschwitz em Lisboa

Dia D. Dia dela.

160 000 homens desembarcaram na praia de Omaha. E apenas uma mulher. Marta Gellhorn. Dois terços dos militares morreu, um terço sobreviveu. Um terço e Gellhorn. Antes de Svetlana Aleksiévitch ganhar um Nobel a escrever sobre a guerra no feminino, já Gellhorn o havia feito em “A Face da Guerra” e nas melhores reportagens de … More Dia D. Dia dela.

A mulher transparente

Olhar para ver é um acto diário de resistência. Contar a violência pelos olhos da vítima é um exercício brutal, mostrar uma imagem inteira dessa pessoa e com isso aproximá-la do leitor para que não possa ser ignorada e se torne inescapável é fazer um delicado trapezismo na corda das emoções que a violência doméstica … More A mulher transparente

Porque se calam?

Em 2010 uma europeia viajou para um país africano desses que quase ninguém sabe localizar no mapa. Tinha como alojamento uma cabana de madeira individual, como as que existem em muitas unidades hoteleiras africanas. Diariamente era acompanhada por um motorista/segurança local porque naquela zona de fronteira os assassínios ou os raptos eram banais. A rotina … More Porque se calam?

Crónicas de viagem ( 1) – Bruxelas – Entebbe

Neva em Bruxelas. Muito. Fui tomar um cappuccino antes de embarcar, à minha frente o Tim pedia dois latte. Teve dificuldade em equilibra-los numa mão enquanto noutra mantinha segurava a metralhadora. A nova normalidade é conversar num café de aeroporto com um soldado pesadamente armado. São simpáticos e prestáveis os militares no aeroporto. Leio uma … More Crónicas de viagem ( 1) – Bruxelas – Entebbe

Presa, predadores e as « selvas » europeias

Violadas, forçadas a prostituir-se, a roubar, a trabalhar para traficantes de pessoas. O ser-se criança e refugiado tem muitas cores, quase todas feias. Retrato da selva no país do Euro. Retrato da Europa no século XXI. Cinco euros.  O que num café dos Campos Elíseos não seria suficiente para pagar um éclair e um cafe … More Presa, predadores e as « selvas » europeias

Auschwitz:da amnésia à memória

Como respeitar o carácter único de um acontecimento inscrevendo-o na história, contextualizando-o, sem o trivializar, sem o instrumentalizar e respeitando o imperativo categórico da memória? Setenta e um anos após Auschwitz, o “Lager” que se tornou no símbolo do genocídio “industrial” dos judeus, a Alemanha fez um longo, intenso, doloroso e exemplar percurso de confronto com … More Auschwitz:da amnésia à memória

Montar em pelo

  Não sei se já alguma vez montou sem sela, nem estribo, nem freio, de olhos fechados. Este contacto directo entre cavalo e cavaleiro permite sentir a suavidade do pelo, a calma do corpo do cavalo, a confiança dos seus movimentos. Liberdade absoluta. Vulnerabilidade absoluta. Sem violência, sem intimidação o cavalo é controlado pela voz. Pela … More Montar em pelo