O canalha

Há poucos autores que escrevam sobre canalhas como Nelson Rodrigues. Na crónica “O Juiz ( árbitro) ladrão” escreve que “o pulha costuma ter uma fluorescente aura de simpatia”, o canalha “é sempre um cordial, um ameno, um amorável”. Ou seja a coluna dorsal do canalha é a falsidade ( é uma contradição em termos escrever … More O canalha

Os ténis brancos  

Há alturas em que despertava sobressaltado a meio da noite com receio de ser descoberto. Apareciam-lhe personagens, vindas de um canto obscuro e desconhecido da sua mente. Escutava suspenso, com os ombros contraídos e as mãos fechadas, quando tinha a certeza que não ouvia nada e o medo se esfumava voltava a adormecer. Geralmente acordava … More Os ténis brancos  

Crónicas de viagem (3) – Postais de Nakifulube)

Almocei na berma da estrada (ugali, feijões guisados picantes, banana frita acompanhados pela inevitável coca-cola). Estou alojada na margem do lago Vitória, o maior lago do continente africano, maior lago tropical no mundo e com uma área equivalente à da Irlanda. Um horizonte infinito. Ontem tomei a decisão certa ao não ter continuado viagem. A … More Crónicas de viagem (3) – Postais de Nakifulube)

Crónicas de viagem ( 1) – Bruxelas – Entebbe

Neva em Bruxelas. Muito. Fui tomar um cappuccino antes de embarcar, à minha frente o Tim pedia dois latte. Teve dificuldade em equilibra-los numa mão enquanto noutra mantinha segurava a metralhadora. A nova normalidade é conversar num café de aeroporto com um soldado pesadamente armado. São simpáticos e prestáveis os militares no aeroporto. Leio uma … More Crónicas de viagem ( 1) – Bruxelas – Entebbe