Dos encontros inesperados:

O taxista que me leva ao aeroporto de Düsseldorf, ao ver-me de livro na mão pergunta: “conhece a poesia de Farough Farrokhzad?”.

Respondo que apenas conheço o nome de uma das maiores poetisas persas. Vira-se na minha direcção e oferece-me um livrinho, “Divar”, com os poemas em inglês. “Quando o ler passe-o a outra pessoa”, pede-me.

Já no aeroporto o motorista iraniano, professor de literatura no exílio, entrega-me duas bolachas de pistácio “Vieram da minha cidade ( na fronteira com o Azerbaijão) e tem cara de gostar delas”.Quase o abraçava.

Já em Varsóvia entreguei o “Divar” a um universitário português de Braga que conheci no Caffé Nero. Como dizem os polacos Gość w dom – Bóg w dom. Convidado na casa, Deus na casa.

O livrinho de poesia era meu convidado, enriqueceu-me e comoveu-me é tempo de o deixar partir. 

   

     


4 thoughts on “Dos encontros inesperados:

      1. Acho que se for um livro escolhido com o propósito de o darmos a outra pessoa é mais fácil dizer-lhe adeus! Mas também não me estou a imaginar a dar algum dos livros que comprei para mim, assim. 🙂

        Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s