Missangas de sal

Lágrimas?
Do avesso das pálpebras soltam-se
Em missangas de sal instantes que foram vivos.

Lágrimas?
Poentes de ternura recolhidos
Ventos que voltam mas não te devolvem.

Lágrimas?
Meus lábios sem ocupação
Dedos desatentos sem corpo para percorrer.

Lágrimas?
Feitiço sem redenção que me habita
Como as estrelas ocupam o céu.

O gume que me sulca o rosto és tu.

Helena Ferro de Gouveia, 2014

Anúncios

4 thoughts on “Missangas de sal

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s