Dilemas de uma sportinguista

Uma Mami esteve a ver o jogo do Sporting, sozinha como se quer nestas coisas que aceleram o coração e transformam, durante noventa minutos, uma pessoa sensata e tranquila num Gru (do fabuloso Despicable me). De vez em quando (leia-se quando jogam os leões) é preciso abandonar a razão e entregar-se à emoção.

As teenagers que me habitam a casa (e me conhecem os humores) dividiram-se entre uma conversa (de horas) ao telefone com o namorado e uma ocupação mais ou menos selvagem da minha cama.

Muitas Mamis têm a ambição mais ou menos disfarçada que os filhos sigam uma profissão que lhes agrade – política não, política não, please – mas nem sempre a verbalizam. Porém, quando se trata de futebol o desejo não é nada secreto: o que eu queria mesmo era que as teenagers – que vestem a minha roupa, calçam os meus sapatos e usam meu perfume – vestissem a camisola do Sporting. Tento explicar-lhe que o Sporting transporta a sina de ser um verbo conjugado no futuro. Há algo mais sedutor do que a possibilidade?

Apesar do meu vasto repertório de doutrinação nada feito, as duas (note to self: será que isto é motivo suficiente para as deserdar ?) apoiam equipas alemãs, por isso cartão vermelho e expulsão da sala quando joga a minha paixão.

Se a vitória tem pouca graça na literatura e no cinema, sendo a derrota mais fértil, fotogénica e rica em interpretações, já no futebol valem outros cânones. Após o jogo subi para quarto feliz como alguém que acaba de receber o iPhone 6 (para os que não gostam da Apple leia-se feliz como alguém a quem colocaram sobre a mesa um petit gateau com framboesas, ou feliz com alguém que teve bom sexo), afasto o lençol para me deitar e noto que a cama encolheu. Literalmente. Além da teen mais nova, que dorme a sono solto, encontro uma tartaruga, um coelho, um mignon e um urso. Na mesa de cabeceira uma nota: “não vais expulsar os meus bonecos da cama, pois não Mami querida? Eles são do Sporting”.
Razão tinha o Nelson Rodrigues quando dizia que mesmo “a mais sórdida pelada é de uma complexidade shakesperiana”.

Anúncios

6 thoughts on “Dilemas de uma sportinguista

  1. Bons pais transitam da democracia à ditadura. No meu caso, não me oponho às escolhas dos meninos. Que namorem quem queiram, que trabalhem onde lhes aprouver, que rezem para o Deus que inventarem. Mas o clube, ah, este sou eu quem escolho de forma teocrática. Gostosíssimo texto, como sempre.

    Gostar

  2. Que texto fabuloso! Enche de orgulho a também aqui Sportinguista que se revê completamente na ausência de razão quando joga o seu clube do coração (olha…rimei!!!) Felicidade Helena – é sempre um prazer ler os seus escritos AnaDD

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s