Diário da Copa – O dia em que Portugal “caiu fora”

Acabo de chegar da Casa de Portugal em São Paulo. Fui assistir sozinha ao jogo entre Portugal e o Gana.

Gosto de exercitar a dúvida – será que é mesmo assim? será que tudo está perdido? – e sou por natureza uma optimista. Acredito que há sempre um novo dia, vinte quatro horas em que nos podemos reinventar. E por isso quis acreditar num milagre. O taxista bem disposto lá foi dizendo “Portugal vai marcar, nê? Tem que” e me deu tchau com um sorriso do tamanhão do Brasil.

Embrulhada na bandeira, rodeada por “patrícios”, fiz promessas cabeludas – se a selecção se qualificasse beijaria todos os Manueis, os protagonistas das piadas sobre portugueses no Brasil, que conheço – , coloquei um chapéu ridículo com um galo de Barcelos na cabeça – se todas as cartas de amor são ridículas o que dizer dos fanáticos (as) pelo futebol –  e desejei muito a vitória.

Desejar, verbo intransitivo, é a insatisfação que nos faz mover, estar a caminho. Mesmo sabendo que o Happy End pode não se concretizar resta a hipótese. Ainda que os momentos de felicidade escorram por entre os dedos como areia, sejam auto-golos, ou aqueles que o Ronaldo não celebrou (infelizmente porque aqueles abdominais deixam saudades). Aprendi com o meu pai, que chorava a cada golo, que os sonhos não devem ser desperdiçados.

Tantos se esquecem de viver o quotidiano, as pequenas alegrias, em troca dessa quimera chamada perfeição. Se a vida fosse um “comercial”, um desses geniais da Skol, o “craque”, transportando  a esperança de tantos na ponta dos pés, teria marcado, um e outro e outro golo fantásticos, levando ao êxtase as arquibancadas. Porém na vida, aquela a sério, não a do photoshop, há mais príncipes encantados a transformarem-se em sapos do que sapos a transformarem-se em príncipes encantados. Ou dito de outra forma, os dias são imperfeitos, como as famílias, os filhos – surpreendo-me sempre com o que sinto quando me despeço da minhas filhas e sobre como é possível gostar tanto, tanto – ou um grande amor. É essa imperfeição, são esses cantos que às vezes ferem que nos recordam que estamos vivos e nos fazem mover. Desejar, verbo intransitivo. Escolher como olhamos para a vida é um acto de liberdade. Profunda.

E o que é isto tudo tem a ver com a Copa? Tudo. Porque “futebol se joga na alma./ A bola é a mesma: forma sacra/para craques e pernas-de-pau. /Mesma a volúpia de chutar /na delirante copa-mundo/ ou no árido espaço do morro”.

O futebol é assim. Cheio de desimportâncias. Enfim, reconciliei-me com o Ronaldo. Lembro-me que o Baggio, o melhor do mundo em 1993, falhou o penalti decisivo contra o Brasil, Ronaldinho, o melhor do mundo 2005, não fez um único golo na Alemanha em 2006, Messi, o melhor do mundo(gassppp como me custa escrever isto) passou o Mundial da África do Sul sem marcar e viu a Argentina ser afastada pela Alemanha por 4 a 0. Para o Ronaldo “aquele abraço”  e agora só tenho de resolver um dilema: apoiar esse amável Brasil (que amo tanto), apoiar a  rainha má Alemanha (a minha pátria afectiva) ou torcer por um underdog ou uma underbitch (a Grécia não, a Grécia não).

Anúncios

7 thoughts on “Diário da Copa – O dia em que Portugal “caiu fora”

  1. Ai ai esses afectos e admirações, Helena 🙂
    Num dia o craque disse que esta equipa não tem qualidade e dois dias depois ele próprio o confirmou em campo 🙂
    Pior do que isso tudo, animais inteligentes não insistem nos mesmos erros mas ao que parece irá ficar tudo na mesma, pois a federação já confirmou que manterá o treinador…

    Gostar

  2. Bem, eu de bola nao percebo nada, mas tenho uma regra: passo a apoiar a equipa que elimina Portugal (ou o clube portugues) da competicao. Porque ja que perdemos, entao que percamos para o melhor. Agora com o Gana nao faco ideia se eles ainda estao em jogo ou nao, portanto nao sei se a minha regra se aplica. Seja como for, pela delicia dos postais que aqui lemos, viva a Copa! 🙂

    Gostar

      1. Ahhhh foi a Alemanha? Santa ignorancia a minha! Entao ja sei por quem vou torcer. E tambem eu gosto muito do nosso menino d’ouro benzodeus. Beijinhos e ate breve por estas (ou outras) paragens 🙂

        Gostar

    1. Sim Luis a selecção tinha desde inicio graves problemas físicos, chegou tarde ao Brasil e escolheu mal o lugar de estágio. Porém futebol é isso mesmo: um jogo. Apaixonante, mas um jogo.

      E o “meu menino” ( benza-deus-a-santa-mãezinha-que o fez) pode pouco sozinho.
      Um abraço.

      Gostar

      1. A Helena já deve saber pelos emails que o avião que irá transportar a selecção está pintado com o número 112 e ao contrário de outros regressos irá aterrar não em figo Maduro mas em Alcoitão 🙂
        Um grande abraço e continuação de um grande campeonato.

        Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s