Pedrinhas: o Brasil que desvia o olhar

351467-970x600-1

O Brasil do deu-certo, a sexta potência económica do mundo, o país da Copa é também o Brasil de Pedrinhas, carregando em si todas as marcas da abissal desigualdade.

Parêntesis para situar Pedrinhas: prisão construída para mil e setenta pessoas que comporta duas mil e quinhentas. No interior da prisão o poder está na mão de presos de facções criminosas que dispõem de smartphones e de até armas. Nada disto era desconhecido no complexo penitenciário de Pedrinhas, o maior do Maranhão, no Nordeste do Brasil, e pode muito bem ilustrar o que ocorre na imensa maioria das prisões brasileiras. Em 2013 nas cadeias do Maranhão foram mortos 62 presos.
Mães, mulheres, irmãs e filhas foram violadas no interior da prisão ou na rua para “pagarem dívidas”, maus-tratos de todos os tipos.

Parêntesis económico para localizar o Maranhão: é estado brasileiro com maior índice de pobreza extrema, com a menor esperança de vida e com a segunda maior taxa de mortalidade infantil do Brasil.

Parêntesis político para entender o Maranhão: miséria, escravatura, corrupção, nepotismo, desvio de verbas públicas, coronelismo, décadas sob a mão de ferro do clã Sarney.

No inicio da semana o jornal Folha de S. Paulo publicou um vídeo que mostra três corpos decapitados no interior de Pedrinhas. Uma das vítimas foi imobilizada, torturada até à morte, enquanto a cena era gravada por telemóvel. Outra tinha sido perfurada com uma arma branca centenas de vezes.

“O que acontece no Maranhão infelizmente retrata uma realidade dos presídios de todos os Estados brasileiros. Quem manda nos presídios são os presos. Os governos não têm políticas públicas para as penitenciárias nem estrutura para controlar esses detidos”, sublinha o juiz federal Walter Nunes da Silva Júnior, que por dois anos inspeccionou presídios de 11 Estados brasileiros. A situação poderia ser mais caótica, já que em nenhuma prisão os presos vêem seus direitos humanos respeitados. “De uma maneira geral, a maioria dos presos até são pacíficos demais. Imagina uma pessoa ter que se revezar para dormir, ficar dias e dias sem tomar banho, sem ter direito de ver o sol, ter de dividir com outras 300 pessoas uma cela que tem capacidade para 36 e tem apenas um banheiro. Isso tudo é revoltante. Eles [os presos] acabam criando códigos de conduta para poder sobreviver e, quando essa conduta não é respeitada, começam as brigas que acabam em mortes”.

Não interessa se  as vítimas de Pedrinhas eram favelados, traficantes, criminosos ou condenados sem crime e sem pena a noites de espera, quase metade das detenções no Brasil são “provisórias” isto é são baseadas na suspeita, suspeita que quase sempre tem um perfil: jovem, negro ou caboclo, favelado ou da periferia. O mesmo perfil de quem dificilmente pode aceder à Justiça ou pagar a um advogado. As vítimas tinham um nome: Dyego Michael Mendes Coelho, 21anos. Manoel dos Santos Ribeiro, 46 anos. Irismar Pereira, 34 anos.

Este é o Brasil de 2014. É preciso parar para pensar, porque como escreveu Eliane Brum “porque esses, que assim morrem, só morrem porque parte da sociedade brasileira sente menos a sua morte. É cúmplice não apenas por omissão, mas por esse não sentir que se repete distraído no quotidiano. Por esse não sentir que não surpreende ninguém ao redor, às vezes nem vira conversa. São vários os discursos que se imiscuem na vida quotidiana e penetram em nossos corações e mentes, justificando, legitimando e perpetuando a ideia de que a vida de uns vale menos do que a de outros, de que a vida dos mesmos de sempre vale menos do que a dos mesmos de sempre”.

Advertisements

4 thoughts on “Pedrinhas: o Brasil que desvia o olhar

  1. É, como brasileiro e nordestino, com familiares maranhenses, posso dizer que você percebeu tudo. Poderia até ter sido mais crítica, porque a situação prossegue assim há tempos. Falta sensatez e sensibilidade, entre outras coisas.

    Gostar

  2. Existe sim um problema nas penitênciarias de nosso país e de várias ordens, mas discordo quando grande parte são apenas suspeitos…Também sou de origem humilde, nasci e moro na periferia e nem por isso precisei envergar pelo caminho da criminalidade, a vida é feita de escolhas, que me perdoem os que são inocentes, mas mais de 98% de quem está ali é por que fez grande mal a alguém ou a alguma coisa, a pessoas de bem que lutam todos os dias pagando seus impostos com dignidade e honestidade, valores que dificilmente entram em um presidio.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s