Beyond the edge of nervous breakdown

1. O dia ainda não começou (são 3:58 da manhã), a chanceler ainda não aterrou em Lisboa, e já estou à beira do ataque de nervos. Algo me diz que a Lei de Godwin vai ser comprovada à exaustão. É um clássico, quando se esgota a argumentação lá vem o nazismo.

2. A excelente entrevista a Angela Merkel conduzida por Isabel Silva e Costa ( ex-correspondente da RTP em Berlim) demonstrou duas coisas: que a chanceler (que poucas entrevistas concede) está bem consciente das dificuldades que Portugal enfrenta e que a solidariedade alemã está assegurada desde que as reformas sejam concretizadas. “Pela nossa parte, nós, alemães, vamos continuar a apoiar Portugal, Espanha e outros países. Fazemos isso porque também é bom para nós termos uma Europa comum”. Last but not the least, esta entrevista veio reforçar a minha convicção que os correspondentes em Berlim não podem ser substituídos pela tradução de takes de agências ou de jornais estrangeiros( eu sei que prego no deserto, but damit é o meu deserto).

3. Ainda a propósito do vídeo das bolas de Berlim lembrei-me de um delicioso verbo reflexivo alemão: sich fremdschämen, que numa tradução literal significa ter vergonha por causa de outrem. É habitualmente utilizado quando outros fazem coisas tão ridículas ou desesperadas que nos sentimos embaraçados, envergonhados por eles. Como escreveu Fernando Pessoa, ” para o provincianismo há só uma terapêutica: é o saber que ele existe. O provincianismo vive da inconsciência; de nos supormos civilizados quando o não somos, de nos supormos civilizados precisamente pelas qualidades por que o não somos. O princípio da cura está na consciência da doença, o da verdade no conhecimento do erro”.

4. Agora vou trabalhar. Um óptimo dia a todos (sem ironia).

20121113-163715.jpg

Anúncios

7 thoughts on “Beyond the edge of nervous breakdown

  1. excelente. O Pessoa (iluminista?!!) e mais do que tudo o verbo alemão, que tanta falta nos faz (como poderemos importá-lo, ao sich fremdschämen. Não pode (qual iluminista) propôr um “neologismo”, um germanismo que seja?

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s