É a “sharia”, elas estão acostumadas

A notícia veio nas páginas interiores dos jornais. Um par de olhos escuros atrás de uma burqa, o infortúnio de ser mulher, por um acaso geográfico, num país errado. A história passa-se em Jaghuri e repete-se, dia após dia, após dia, numa interminável e cruel espiral.

No início de Setembro enrolaram-na num lençol branco e chicotearam-na, em público, cem vezes. Plascht, plascht. Plascht. Sob o seu rosto, as mãos, as costas desceram as chicotadas da moral e da humilhação. O seu crime? Ter-se encontrado com um rapaz, acusa o mullah afegão que ordenou o castigo. Tem 16 anos, chama-se Sabera. Balança no fio ténue que separa a morte da vida. O adolescente com quem se encontrou foi condenado a pagar uma multa 1600 dólares.

 Segundo a Oxfam oitenta e sete por cento das mulheres e meninas afegãs são vítimas de violência, atacadas com ácido, amputadas, batidas, abusadas sexualmente, forçadas a casar. Em Junho deste ano uma mulher foi executada em público, era acusada de adultério. Face a isto digam-me, em verdade, se o feminismo está ultrapassado?

Anúncios

One thought on “É a “sharia”, elas estão acostumadas

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s