Com um nó no estômago

São meninos e meninas, ou pretendem sê-lo, mas já conhecem o abraço da fome.

O berço da humanidade parece mais ser o seu lugar de extinção. A maior seca dos últimos 60 anos afecta a Somália, o Quénia, a Etiópia, o Uganda e o Djibuti. Doze milhões de pessoas  estão em risco, mais do que toda a população de Portugal, mais de dois milhões são crianças. Enquanto o mundo assiste. Já lhes fez as cinzas.

“É uma tragédia humanitária de proporções inimagináveis”, constatou o Comissário  das Nações Unidas para os Refugiados, António Guterres. A ONU, as ONG e os governos africanos demonstram uma surpreendente incapacidade de aprender com os erros do passado. A crise humanitária era previsível, até mesmo evitável com um conjunto de medidas simples. Continua a falta vontade (política) para fim à inércia sem culpa. É mais fácil estender a mão à generosidade bem intencionada de tantos. O Ocidente prefere pagar para não ser incomodado, e prefere transformar, como transformou, tantos países africanos em legiões de pedintes.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s