Yankees go home?

José Cutileiro contava , há uns meses,  no Expresso a  história do o  fidalgo escocês Fitzroy MacLean. Este  saltou de pára-quedas sobre a Jugoslávia em 1943 para depois informar Churchill se os aliados deviam apoiar os guerrilheiros de Tito ou os rebeldes do general monárquico Mihailovich que lutavam ambos contra o ocupante nazi. Qual dos dois matava mais alemães? Fitzroy aconselhou apoio a Tito mas acrescentou: “Tenho de o prevenir, primeiro-ministro, que se nós ganharmos, Tito estabelecerá um regime comunista”. “O senhor MacLean tenciona ir viver para a Jugoslávia depois da guerra?”, perguntou Churchill. “Não, primeiro-ministro.” “Eu também não”, rematou Churchill.

Lembrei-me disto a propósito do Afeganistão. Hoje milhares de alemães, incluindo a chanceler Angela Merkel e outros governantes, compareceram  na cerimónia fúnebre de quatro soldados mortos pelos Taliban no Afeganistão, na cidade Ingolstadt da Baviera .  Os soldados foram mortos pelos Taliban em dois ataques a 15 deste mês, elevando para sete o número de mortos no Afeganistão desde o início de Abril e para 43 desde o início da missão no Afeganistão. Uma sondagem recente concluiu que cerca de 62 por cento dos alemães querem o regresso a casa dos 4.500 soldados destacados naquele país.

Mas o abandono não é o caminho.

 No Afeganistão o perigo para o mundo em geral e o Ocidente em particular, sustentava exemplarmente José  Cutileiro, ” não vem da fraqueza do poder central, do arbítrio dos ‘senhores da guerra’, da corrupção generalizada e de um sistema de valores morais iníquo que o mundo conhece desde meados do século XIX. O perigo vem dos talibãs. Derrotá-los militarmente, tirar-lhes o domínio territorial, secar-lhes as fontes de apoio no Paquistão e desacreditá-los assim no mundo islâmico é a missão da operação da NATO e de iniciativas civis que a acompanham. Houve até agora erros crassos – ideológicos, estratégicos e tácticos – mas vai-se a tempo de emendar a mão quer na acção militar quer na articulação do poder internacional com o poder afegão. Sucintamente: não bombardear mais civis e ouvir os chefes tribais. Cumprida a tarefa, sair deixando o Afeganistão um país onde talvez Churchill não tivesse gostado de viver mas livre para sempre dos talibãs.”


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s