Carta aos Exmos membros da Ordem da Sisudez

Com o Orçamento fechado e a época festiva a chegar há que redirecionar a pedinchice. Epistolemos portanto. Antes de mais peço desculpa por importunar os que andam em bolandas com conspirações galácticas, o “vírus inexistente” e os clones (como eu precisava de um, ou de dois vá), seguindo gurus licenciados em Ciências da Vida, mestrados … More Carta aos Exmos membros da Ordem da Sisudez

Passageiros clandestinos

Resignação é a mais feia palavra da língua portuguesa. É um esmagamento.Nascemos para viver contra os aniquilamentos. Vou contar uma história. Quando ela tinha 12 anos disseram-lhe: “a minha vida acabou quando tu nasceste”. A mãe morreu no parto e nunca lhe perdoaram. Aquelas palavras queimaram lá dentro, doeram mais que o descaso, as tareias … More Passageiros clandestinos

Bebés danificados: a indústria da gravidez de substituição

Alguns choram no berço. Outros são embalados ou amamentados a biberão por empregadas. Os récem nascidos não estão no berçário de uma maternidade, estão alinhados no lobby de um edifício de nome improvável, Hotel Venice, guardados por muros e arame farpado. As crianças são filhas de casais estrangeiros, nascidas na Kiev através de mães de … More Bebés danificados: a indústria da gravidez de substituição

10 de Junho 2020

O QUE É AMAR UM PAÍS Agradeço ao senhor Presidente o convite para presidir à Comissão das comemorações do dia 10 de Junho, Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades. Estas comemorações estavam para acontecer não só com outro formato, mas também noutro lugar, a Madeira. No poema inicial do seu livro intitulado Flash, … More 10 de Junho 2020

Miguel

Miguel Otávio Santana da Silva tinha 5 anos e caiu do 9 andar de um prédio de luxo no Centro do Recife, no dia seguinte ao dia da criança. Assim dito pode parecer um azar, um acidente. Mirtes Renata é “diarista” ( empregada doméstica)e mãe do Miguel, no momento da queda ela estava a passear … More Miguel

E o passado aqui tão perto

Abruptamente falamos do início do ano como se de um passado longínquo se tratasse e introduzimos palavras pouco usuais no nosso vocabulário: confinamento, desconfinamento, distanciamento social. Falamos do “R” como se fosse aquele tipo rezingão que ninguém suporta. O que parecia impossível, aulas em casa, teletrabalho, fronteiras fechadas, aviões parados, tornou-se o possível.As redes sociais … More E o passado aqui tão perto

Da desilusão

Quando eu era adolescente e sofria desilusões lamentava profundamente não ser mais parecida com a minha grande amiga de infância. Cresci e continuei a pensar o mesmo. Foram inúmeras as ocasiões em que eu a vi desapegar- se completamente de pessoas que, de uma forma ou de outra, foram desleais, que a tinham desiludido ou … More Da desilusão

Em tempos de pandemia, humanidade

Um bairro de uma cidade alemã, também em quarentena, canta “Bella Ciao”, em solidariedade com a Itália. Há aqui uma ironia histórica e também uma grande lição: sendo originalmente uma canção de resistência camponesa, no século XIX, tornou-se no hino hino de resistência antifascista e anti ocupação nazi dos partigiani, na 2ª guerra mundial. E … More Em tempos de pandemia, humanidade

Auschwitz em Lisboa

Umas horas não chegam para contar como Esther sobreviveu a Auschwitz, graças a um acordeão, e actuou esta noite na Escola Alemã de Lisboa. E neste agora-aqui, com integridade, com humor, com a capacidade de dizer muito, tanto com poucas palavras. Aos 95 anos ainda tem a voz clara, enche um palco apesar de ser … More Auschwitz em Lisboa

Baixio das Bestas

Um filme que todos deveriam ver, e no todos incluo aqueles que se interessam por direitos humanos e por vitimologia, é o “Baixio das Bestas”, de 2006, realizado por Cláudio Assis. A obra, baseada em histórias reais, recebeu prémios nos circuitos nacional e internacional de cinema, incluindo o Tiger Award, maior prémio do Festival Internacional … More Baixio das Bestas

Acasos

Na procura de um café aberto esta manhã decidi ir até aos Pastéis de Belém. Quando o meu pai era vivo e nós vivíamos ali por perto era um dos rituais de domingo ou feriado e cumpria-se sempre no dia primeiro do ano. Quando cheguei estava cheio, porém encontrei uma mesa vaga. Sentei-me e uma … More Acasos

Dormir

Subitamente os olhos bem abertos e a cabeça clara e lúcida. Olho para o despertador: são três horas da manhã. As luzinhas verdes do Messenger já se apagaram e não posso telefonar a ninguém que nos me maldiga. Acendo a luz. Que tal ler ? Ver uma série na Netflix? Escrever sobre a insónia ? … More Dormir

Da solidão

Há uns anos fiz um retiro espiritual de uns dias num mosteiro alemão. A principal das regras era o silêncio. Quebrado apenas durante as espartanas refeições. Todas as orações eram feitas em silêncio. Abandonei tudo o que ligava ao mundo exterior, nem a leitura era permitida. Permitiam-se longas caminhadas pela montanha onde ficava o mosteiro … More Da solidão

Da série mulheres extraordinárias ( e ainda pouco reconhecidas):

Os nazis consideravam Virginia Hall o “mais perigoso de todos os espiões aliados”, mas a história da “Dama Manca” ainda é amplamente desconhecida. Hall passou quase toda a guerra na França, primeiro como espia do recém-formado SOE da Grã-Bretanha e depois para o Departamento de Operações Especiais (OSS) dos EUA. Nem a sua perna protética … More Da série mulheres extraordinárias ( e ainda pouco reconhecidas):

Ninguém é uma ilha

Em Lost Connections, Johann Hari escreve sobre as suas décadas de trabalho nas áreas do  trauma e da saúde mental e explica por que acredita que na origem de  quase tudo  o que sofremos está uma conexão cortada que nunca descobrimos como reparar. A dado momento, Hari refere-se a uma clínica de obesidade, onde os … More Ninguém é uma ilha